quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

O dever de evitar um beijo

Eu deveria ter evitado olhar tão de perto seus olhos. De certo, acho que deveria ter evitado você desde o começo, mas a minha curiosidade não me permitiu parar. Ter mergulhado no seu olhar talvez tenha sido um pequeno detalhe pronto para ser passado despercebido depois de tantos grandes detalhes que me levaram até aquele momento...

O beijo foi doce, tão doce, não tem como discrever se era gosto de chiclets ou qualquer outra coisa, não era, era uma mistura louca que se transformou naquele gosto bom, muito bom.
Aquele momento foi no minímo diferente, inexperado e o lugar, indiferente, o estranho foi que por um segundo me pareceu surreal, ou apenas um lugar que se tornaria especial.
Confesso, não deixei escapar nenhum detalhe...
Sua roupa, seus acessórios, e cada pequeno detalhe do seu rosto. Mas o seu cheiro... não era nenhum perfume que eu pudesse adivinhar o nome, era cheiro de pele, era o cheiro dele que me fez tremer por dentro. Deu uma vontade forte de abraçá-lo, de explodir meus pulmões com aquele ar, mas eu me contive. Sorri, olhei em seus olhos, seus olhos... eu deveria ter evitado olhar tão de perto seus olhos, mas eu precisava absorver o máximo daquele momento, o máximo de você, porque eu sabia, não iria acontecer de novo...
Então comecei a sugar cada minuto alí, e quanto mais eu me enchia daquele momento, mais transbordava de mim perguntas e sensações, e mais perguntas e uma vontade louca me correr e me esconder...
Meu Deus, Como Eu Fui Parar Alí? Assim mesmo, com letras maiúsculas. Como?
Estar lá era como ter 12 anos denovo. Eu desaprendi como é recomeçar, mesmo sabendo que aquilo não era um recomeço, não haveria mãos dadas, nem coisas fofas para dizer... Tchau. Até mais!
Eu tinha me desacostumado ao vazio desses momentos.
Resolvi que não me importaria mais. Me esvaziei. Até deixei a chuva me molhar sem pragueja-lá, despenteou meu cabelo, estragou a minha franja, mas quem se importa? Não precisaria estar bonita para ninguém, oras...
E então...
Lá estava eu com 12 anos de novo...

[CONTINUA...] ou não!
Thays Gomes

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

O que você não sabe e nunca vai saber...

Eu sou forte, sim, não por uma simples escolha, aceitaria de bom grado qualquer tipo de fraqueza, mas sim; porque a vida jamais me deu esse luxo, o luxo de poder ser fraca, desde sempre ela me encheu de murros no estômago.
Sempre penso, e se fosse você?
Eu vi meu pai ir pra longe logo cedo, a pessoa que eu mais idolatrava, indo embora sem eu nem saber porque... você não sabe o que é uma criança ter pesadelos toda noite e acordar gritando e chorando de saudade, você não sabe o que é ter que escolher entre a sua mãe e a casa em que você cresceu, você não sabe a dor que a morte causa quando rouba de você o homem que cumpria o papel de pai, quando este não estava lá!
Você não sabe nada disso, e nunca vai saber, porque a sua família é quase baseada em uma da novela de Manoel Carlos, você nunca passou por 1/3 das coisas que eu passei desde sempre, desde pequena. Você simplesmente não sabe os lugares horríveis aonde eu estive por um erro que não cometi...
Você queria que eu fosse fraca? Eu apanhei tanto da vida desde sempre, e você quer que eu me dê ao luxo de ser fraca, de chorar? Eu que não chorei nem quando meu avô partiu, quando metade do meu coração partiu!
São traumas, feridas, cicatrizes que você jamais vai entender ou saber, porque eu nunca te contei, nunca iriei contar a mim mesma.
Mas eu só digo...
Há motivos muito maiores para sofrer, eu sofreria por isso, mas eu passei grande parte da minha vida sofrendo, machucada, por favor, não deseje que eu sofra mais...
Thays Gomes

sábado, 6 de novembro de 2010

Assim ela vai...

Assim ela vai...
Cheia de si, segura e inquebrável, por qualquer rua deserta, escura e interminável, buscando por aí um amor de verdade, que a abrace forte, tão forte que quase tire dela seu antigo amor.
O antigo e eterno amor.
Assim ela vai...
Tem dançado com o demônio por muito tempo, e isto a tem feito amadurecer, substituindo lágrimas por sorrisos, carência por tesão, tristeza por bebidas... mas ela não consegue ser assim o tempo todo, todo dia, toda vida e por isso logo irá sentir falta de lembrar e chorar pelo seu verdadeiro amor...
Ele se tornou um desenho borrado em sua mente, não reconhece mais o seu rosto, mas pode vê-lo nitidamente em seus sonhos.
Ela ama.
Ela o ama.
Ama todas as cores que consegue enxergar nele, todas as cores que seu corpo possui. A cor de seus cabelos e de seus olhos, e também a de sua pele.
Ama também os traços de sua boca e de seu nariz. Seus ombros largos e o calor de seus braços que mesmo sem poder sentir ela consegue imaginar.
Ela ama tanto ele, tanto, tanto que já não é mais um sentimento, é quase uma fé, uma religião.
Ele é...
Quase um Deus. Não. Ele é o seu Deus.
É nele que ela pensa quando algo dá certo, é ele quem ela quer quando algo dá errado. É para ele que ela reza todas as noites. É ele quem ela pede todas as noites. Religiosamente todas as noites, durante anos, sem perder um dia sequer.
E ela sabe que quase venderia sua alma ao diabo, quase, pois nem isso faria ela pertencer a ele.
E assim ela vai...
Não importa o caminho ou o rumo que irá tomar. "Não importa", ela repete o tempo todo. Não importa porque ela não o tem, mas um dia irá importar. Um dia ela o terá. Pode escrever em qualquer pedaço de papel que você tem em mãos agora.
Um dia ela será dele e ele dela.
E assim ela vai...
Enchê-lo de sonhos, entupi-lo de amor, rabisca-lo de carinho.
Vai fazer ele sentir todas as sensações que ainda não conhecia. Com certeza, ela irá fazê-lo transbordar de alegria e vontade de viver.
O homem mais feliz de todo o Universo, é o que ela quer fazer dele. O mais feliz e mais completo.
Quando ele estiver dormindo ao seu lado ela vai passar de leve seu dedo pelo seu rosto, pelo seus traços e brincar com os seus cabelos, vai sorrir e quase chorar, mas de alegria, de felicidade e ficará olhando pra ele por horas e horas, durante vidas e vidas, sem deixar os pesadelos invadi-lo, velará seu sono agradecendo por ter ele em seus braços.
Assim ela vai...
Por ai, por qualquer canto, em qualquer encanto. Tropeçando em sonhos de te-lo a qualquer preço. Sonhos estes que insistem em se colocar em seu caminho, mas não se sabe se é para que ela insista em realiza-los ou apenas derruba-la...
Thays Gomes

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

My sunshine

É algo físico, quase que matemático, totalmente racional.

Antes que você me dê as costas, deixe-me te dizer que o amanhã nunca me pareceu tão incerto.
Antes eu acordava com a sensação de que eu saberia o que ia acontecer durante todo o dia. Era como se eu tivesse em mãos um cronograma, uma tabela de horários que eu apenas precisava seguir para atravessar o dia e chegar ao fim dele bem, inteira e viva. Vez ou outra algo mudava.
Mas hoje, eu não sei o que pensar sobre o dia de amanhã. Eu odeio isso. Colocar minha cabeça no travesseiro e criar hipóteses, pensar sobre coisas que não são concretas e estão longe de ser. Se estou certa, nunca serão.
Sinceramente, não sei nem se devo pensar em algo. Esperar que você venha até mim, ou que troquemos algumas palavras. Esperar te ver ou te encontrar. Não sei nem se amanhã vou acordar querendo ser sua ou querendo não te ver nunca mais.
Confesso que isso encomoda um pouco, encomodava, hoje em dia entristece, quase dói, quase machuca... e quase passa, mas nunca passa.
Deito e penso: "Será que ele ainda vai me querer amanhã?", e logo retruco comigo mesma tentando explicar que não é bem assim, que você não tem a obrigação de gostar de mim ou me querer, nem hoje, nem amanhã, nem quando a gente se beija ou quando a gente transa.
O negócio é físico, quase que matemático, totalmente racional.
Por mim, tudo ótimo, tudo lindo... aparentemente! Mas logo, quase que em todos os momentos venho querendo falar sobre sentimentos.
Sentimentos? Sentimentos? Sentimentos? Que porra é essa?
O negócio fluí, é bom, é gostoso, a gente se diverte, quem precisa de sentimentos?
Eu preciso deles!
Você não vê? O quê aqui você não quer ver?
Eu tenho estado a mil últimamente, tudo isso tá me dando um puta medo, me deixando assustada e eu sei, alguma coisa aqui te assusta também.
A verdade é que, não consigo ser assim, tão equilibrada, relaxada, como você fingi ser, eu até era, mas você forçou a barra, insistiu demais, eu entrei na dança achando que seria um passa tempo divertido, diferente, pensando que iria brincar, jogar qualquer joguinho idiota, mas ir embora a hora que bem entendesse sem sentir nada, nem pena, dó ou qualquer sentimento, bom ou ruim, por você.
Eu errei feio!
Eu fico com você, e parto a hora que eu entendo que já deu, mas sempre com a vontade de ficar mais um pouquinho, ou mais um mundo de tempo.
Vou embora sem querer ir, e isso vem me deixando triste, cada dia mais pra baixo.
Eu não pertenço a você, eu não pertenço a ninguém, eu sou tão minha, eu estou sempre tão dentro de mim que a única coisa que eu queria agora é me doar à você. Me esvaziar de "eus" e me encher de "você", sim!
Mas você nunca me tira de mim. Você só deixa eu me afogar mais e mais. Nunca é suficiente.
Eu odeio isso. Eu odeio você. Eu odeio a maneira como você age.
Você é injusto, egoísta e egocêntrico. Feri por prazer, por pura vaidade, pra poder se vangloriar e dizer que você pode e consegue a qualquer hora, com qualquer uma. Mas eu não sou qualquer uma, tudo o que você faz sou eu quem dita o tempo e eu entro no seu jogo porque eu sou quase masoquista, auto-distruidora. Você não é bom o bastante a ponto de me levar...
Existe algumas coisas que eu gosto em você. O jeito como você se movimenta e sorri. Seu olhar, os seus olhos verdes, o seu perfume que empregna no meu corpo e espalha no ambiente e o seu cabelo que parece um milhão de raios de Sol.
Há mil coisas sobre você que me fariam desistir dessa estupidez e ir embora de vez.
Mas sinceramente fico buscando pequenos detalhes pra ficar...

Eu tive tanto medo disso acontecer, de algum dia sentir vontade de escrever sobre você. Tive medo de gostar. No começo era indiferente. Você podia ir e vir, sorrir, cantarolar... agora eu ando tão abalada por você. Você perto, você longe, tudo me deixa triste, tudo me faz querer você.
Querer você... que engraçado, eu que nunca quis ninguém...

Thays Gomes

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Nossos momentos

Esta é mais uma carta que eu escrevo, sabendo que não irei mandar. Haverá muitas reticências, frases não terminadas e algumas coisas ficarão por dizer.

Espero que você esteja bem e feliz e que ela esteja dando tudo de si para não te deixar cair em seus pensamentos sombrios e errados sobre si mesmo...
Espero que ela esteja brincando com os seus cabelos, que não são mais longos, mas ainda são lindos.
Estou da mesma maneira como naquela última ligação.
Desejo que você esteja cuidando muito bem de mim. Se você não sabe, há partes de mim com você. Ok, ainda tenho meus braços, minhas pernas e todo o resto, mas na verdade, as minhas emoções, meus medos, todos os meus sentidos e sentimentos ficaram com você. Tudo bem, eu não pretendo pedi-los de volta, mas apenas guarde todos muito bem, se não quiser tratá-los bem. Sei que não tivemos a chance de ter um fim digno de um fim, ou melhor, não tivemos um FIM, mas sei que ainda vamos nos encontrar e então você pode me entregar todos de volta.
Andei relembrando os nossos momentos, não direi os NOSSOS BONS MOMENTOS, todos que passei com você foram bons, especiais, diferentes de tudo, até mesmo os ruins, mas enfim...
Lembra da vez em que sem querer eu grudei chicletes no seu cabelo? Espero que Deus nunca me deixe esquecer a sua cara de susto, pavor, medo e ódio...
E como eu implicava com o seu cigarro? Odeio admitir, mas sinto falta dele, ainda que eu odeie cigarros, o seu até me cheirava bem...
E nossas brigas? Tantas, tantas, tantas... Não lembro de todas.
E quando estávamos separados e sentamos pra falar mal dos nossos "ficantes"? É duro quando se tem orgulho e teimosia batendo um papo, algumas coisas não vão para frente. Passamos tanto tempo em um cabo de guerra que nos esquecemos de lutar pelos mesmo ideais...
Sabe, andei pensando, não quero que nada mude. Você está feliz, está com alguém que te ama, amar ela é um detalhe. Não sei o quanto ela te quer, te deseja e te ama, mas sei que não ama, nem te quer e te deseja mais do que eu, isso é um fato! Mas devo concordar, ela te causa menos problemas, nenhuma perturbação, raiva e sofrimento, e ainda por cima o sexo é fácil e o relacionamento é cômodo, então eu desejo que você esteja com ela. Ainda que eu te ame, eu nunca fui a melhor e você merece o melhor, SEMPRE!
Isso tudo parece um pouco altruísta de minha parte, não é isso, e você sabe que não, alguém como eu, egoísta feito eu, jamais daria uma de "altruísta", mas um tempo longe faz as pessoas se tornarem monstruosamente compreensivas. Talvez eu seja capaz de compreender o que acontece agora, e isso não tem nada a vê com altruísmo...
Uma vez que te quero e aceito não te ter, você sabe, algo de horrível está acontecendo dentro de mim, mas dessa vez não vou pedir pela sua ajuda ou atenção...
Bom, algumas coisas o tempo irá me ajudar a te dizer, como se eu acreditasse nele, outras coisas que foram caladas, continuarão...
Não me importo de seguir caminhos diferentes, uma vez que sempre saberei aonde te encontrar. Sentirei você a milhas e milhas. Lembra? Ainda há partes de mim com você. E algumas outras coisas, bem, você saberá quais coisas são quando todo resto chegar ao fim. Eu permanecerei aqui. Não vou dizer que é porque estarei te esperando, talvez eu não tenha para onde ir, ou alguém que me dê abrigo.
Não tenho e não quero.
As pessoas não me servem neste momento tão bonito de solidão.
Desisti de todas! Desisti principalmente de tentar me apegar a elas porque na verdade não me desapeguei de você. E sinceramente, não é algo ruim, existe mais amor nesta loucura do que em tudo o que vivemos juntos até o dia em que você não me quis mais, sim, existe mais amor em tudo isso do que em sua vida atual, mas isso não te interessa.
Ando me afogando em livros, entupindo minha cabeça de coisas que me afastem de você, mas enquanto leio, você surge o tempo todo, me fazendo desistir de mim!
Termino aqui, mas quando você estiver para baixo e por seus pés no chão, eu espero que encontre uma maneira de voltar para mim!
Thays Gomes

Meu verão vazio...

Ambos não conheciam o amor e sem saber amavam. Como duas crianças brincando na terra: simples, mas suficiente.
Ambos viviam felizes e completos, rindo, cantarolando e balançando suas mãos entrelaçadas por aí.
Não tinham nada para dar e ainda sim, davam tudo de si, davam o que possuíam e o que não tinham, davam aquilo que ouro algum no mundo pudesse comprar. Deram suas lágrimas, seu sangue e suas almas.
Ambos não sabiam amar, mas viviam, lutavam e sofriam por isto, ainda que não soubessem. Como duas crianças que por não conhecerem a morte, não podem temê-la
Eram como o mar em uma noite escura refletindo a Lua, eram sombrios e profundos, mas tão claros e cintilantes...
Ele era o verão vestido de preto, quente e intenso, porém mais lindo que a primavera com todas as suas cores, e seu olhar era como um espelho refletindo medo e ódio.
Ela era infantil e colorida, tão desastrada, perdida, deslocada, incapaz de sentir medo ou até mesmo equilíbrio diante dos olhos que ela mais amava. Ela teria dado a vida se isto a fizesse ficar presa para sempre naquele olhar.
Ele era o escuro da noite em uma linda manhã. Era o ódio e o amor.
Ela era incompleta e frágil. Sem ele por perto era quase difícil de existir, como cinzas ao vento.
Eles juntos eram como fragmentos de paraíso bem no meio do inferno.
Eram fogo, ódio, amor, vida, dor e paz em perfeita harmonia. Impossíveis de serem descritos pelos olhos de quem via. Eram o amor materializado. Logo eles que não sabiam nada sobre o amor, que não sabiam que amavam e se soubessem, não esperavam ir tão longe...
Eram como água e fogo, mas não se cancelando e sim; se contemplando... como se fosse possível.
Eles se encontraram no verão. Conheceram-se e se desejaram com a mesma força que se deseja o impossível.
Um alimentava a força do outro, alimentavam a esperança, coragem, a vida, o espírito e até mesmo a ira. Se alimentavam com a própria alma, e assim se fundiam.
Duas crianças, infantis e assustadas que não conheciam se quer a palavra amor, mas amavam. Da tal forma que se observássemos de longe nos maltrataria a força desse amor.
Thays Gomes

When I see you smile...

 Sinto falta dos seus longos cabelos negros espalhados sobre meu colo, e como eles eram lindos e lisos, e como seu perfume afetava os meus sentidos, fazendo eu me sentir como se coberta por eles fosse o meu lar.
Eles combinavam com a sua maravilhosa pele branca, uniforme e quente, quase como fogo queimando na minha, se fundindo, e eu adorava.

Adorava como eu me sentia fraca presa pelos seus braços de aço. Amava me perder nos seus olhos de chocolate derretido, e como eles eram escuros e doces, era como se perder em uma noite negra e sem Lua e ficar contando as milhões de estrelas do céu no seu olhar...
Jamais encontrei em lugar algum do mundo ou das histórias, algo mais lindo que o seu sorriso. Eis que o pôr ou o nascer do Sol se tornaram tão sem graça, sem emoção. Nem mesmo um jardim com flores ou as ondas quebrando aos meus pés... tudo se tornou tão pequeno e insignificante. Tudo por causa daquele sorriso...
Eu odiava tudo, mas amava você.
Amava simplesmente porque você era um sonho que se tornava real em minha vida.
Você não sabe quanto tempo eu te esperei.
Eu te desenhei em minha alma, sem ao menos saber que você existia. E como mágica acontecendo bem diante de meus olhos, você estava lá. Lindo e impecável, como jamais nos meus sonhos eu te imaginaria, ainda que te julgasse perfeito.
Eu adorava te chamar de meu. Adorava me jogar e ser pega por ti. Eu contemplava a vida porque eu pertencia a você.
Continuo acreditando que em algum lugar Deus existe e eu jamais poderia duvidar, uma vez que ele me deu a maior das provas, uma vez que ele colocou a perfeição em minhas mãos. Não poderia duvidar dele, pois não duvido de você, não duvido da sua beleza inumana, que só alguém maior poderia criar.Nada nesta natureza, nada poderia ser comparado a ti.

 
Continuo achando o pôr e o nascer do Sol sem graça e nem emoção. Achando as flores sem vida nem perfume, e o mar... pequeno e insignificante, porque ainda lembro daquele sorriso, do SEU sorriso. E tenho na memória o perfume dos seus longos cabelos.

Julho de 2008
Thays Gomes

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

I will be there, always waiting, waiting for you to let me inside...

Às vezes eu me proibo lembrar de você, mas sempre certa de que não te esqueci.
Ultimamente, tenho pensado em todos os espaços em branco que você deixou dentro de mim.
Eu sei, não foi por querer, foi sem saber.
Você precisa de alguém para iluminar as sombras do seu rosto e um pouco de amor de verdade, alguém te lembrando o quanto você é lindo e que consegue, independente do seu sonho mais maluco, você é tão capaz, e eu sinto uma força imensa irradiar de você. Eu quero muito que você encontre essa pessoa, mas, eu sou tão ruim que não possa ser ela?
Quando lembro de você lágrimas escorrem pelo meu rosto e não posso fazê-las voltar, venho descubrindo que isso me torna forte, e no fundo, poderei ser a única.
Se eu pudesse jamais deixaria você cair, enfrentaria tudo com você pra sempre, estaria ao seu lado apesar de tudo, ainda que isso me mandasse para o inferno. Então, se você me deixar, eu vou para onde você for. Lá em cima, lá embaixo... Você só precisa me deixar entrar.
Em alguns momentos parece ser a hora de desistir, em outros sinto que é a hora de partir, mas quando vai ser a hora de te deixar de verdade?
Eu estou indo, só espero descobrir uma maneira de voltar algum dia, e te observar, te guiar através do mais escuro dos seus dias.
As estações continuam mudando, isso me enlouquece, me enfraquece, me mata vezenquando, mas tudo bem, eu sei que jamais esqueceria seu rosto, nem se cem invernos apagassem seu sorriso, ou o verão desbotasse sua cor, jamais, jamais, e isso me basta.

Eu estarei lá, sempre esperando...
Thays Gomes

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Um cara...

Eu passei os últimos anos escrevendo sobre como você era especial e como eu te amava e isso e aquilo.
Rabisquei milhares de folhas desenhando seu rosto. É! Enquanto você andava por aí eu te desenhava, decorei cada traço seu, e sabe, te acho absurdamente lindo. Mas chega disso!
Não sou masoquista, olha pra mim, tenho um sorriso imenso estampado em meu rosto, sofrer não combina comigo, e é por isso que não quero mais, desisti, cansei!
Passei anos dando murro em ponta de faca, insistindo, forçando a barra, mas essa tortura não vai me manter apaixonada por você o resto da minha vida. Já te falei delicadamente sobre meus sentimentos e hoje em dia confesso que ando agressiva demais. Mas...
Você já parou pra pensar que amanhã ou depois eu vou conhecer O cara? E então um belo dia vou acordar e o que eu sentia por você vai ter se transformado em uma velha lembrança... se eu ainda me lembrar de você...
Tudo bem, você não deve se importar, deve estar cansado de me ouvir falar sempre as mesmas coisas, por isso serei breve.


Morreu. Acabou. Esgotou minha fonte de amor inesgotável.
Em uma noite fria eu abri meu coração pra você, e você nem aí... eu saí, me diverti loucamente, ri muito, recebi vários elogios, conheci muitos carinhas legais e bonitos, cheguei em casa e caí na cama morta de cansaço de tanto ser feliz.
No dia seguinte fez o maior sol. Acordei com muita dor nos pés, mas nenhuma no coração, até recebi algumas mensagens. E então antes de dormir, deitada na cama, pensei em você. Eu não senti nada. NADA. Como? Meu olho costumava a encher de lágrimas, meu coração ficava apertado... mas nesse dia foi diferente.
Caiu a minha ficha do quanto você é, tão e somente, um cara burro. Todas às vezes que te disse o que sentia você veio com um balde de água gelada em cima de mim, até finalmente me fazer acordar. E sabe, acho que você jamais vai encontrar alguém que nem eu nesses lugares em que procura. Alguém que faria tudo e qualquer coisa por você! Que pagaria o preço que fosse pelo seu sorriso! Que desenhasse seu rosto ou escrevesse sobre você! Que pensasse em você todas as noites antes de dormir e escrevesse seu nome em cada pedaço de papel e ainda não te pedisse nada em troca. Porque foi isso que eu fiz durante anos, sem esperar nada.
Eu vou para a cama todo dia com 5 livros e uma saudade imensa de você. Ou melhor, eu costumava a ir para a cama todo dia com 5 livros e uma saudade imensa de você, saudade das coisas bobas, alguma conversa, alguma ligação, mas não existe mais saudade, não existe mais nada...
Thays Gomes

domingo, 3 de outubro de 2010

Ele

Tanto tempo se passou, tantos anos... no entanto ainda não me acostumei com a ideia de me sentir assim, tão... vazia.

Eu lembro bem do rosto dele, se eu fechar meus olhos agora consigo vê-lo aqui, sua boca, suas olheiras, sua bermuda sempre caindo, seu cabelo que algumas vezes ficava bagunçado e a sua toca quando estava frio. Confesso que lembro pouco da sua voz quando chamava meu nome, mas não me esqueço de como eu me sentia.
Me revirava o estômago, me enchia de ansiedade, sempre achei que não fosse aguentar, e então quando ele gritava meu nome, meu coração gritava junto no peito, batia tão forte, tão desesperado.
Confesso que sinto falta de tudo isso, de cada exagero meu, das tempestades em copo d'água que eu insistia em fazer por nada, enfim, de cada reação infantil, lá se foi os meus 12 anos...
Mas como pode?
 Hoje eu já sou uma mulher, já sei das coisas que gosto, das coisas que detesto, do que amo e repudio. Mudei tanto, é claro, se um ano faz diferença, quem dirá vários...
 Meu corpo mudou, meu cabelo, meu olhar, meu sorriso, minha maneira de pensar, de agir, cada parte de mim já não é a mesma de anos atrás, mas e ele? Por quê ele continua tão vivo em mim? Por quê ele revive essa garotinha de 12 anos perdida? O que eu sinto por ele? Se eu mudei, por quê ele ficou? Como ele ficou?
Eu venho me perguntando isso dia após dia, ano após ano, cada vez que eu converso com ele, cada momento em que penso nele, e nunca obtenho respostas.
Às vezes em alguma tarde vazia me pergunto sobre ele, sinto uma curiosidade imensa de saber sobre qualquer coisa ligada a ele, se ele está bem, se está apaixonado, qualquer coisa idiota.
Andando por aí ou simplesmente esperando o ônibus, vendo as pessoas indo e vindo, ele surge me sufocando, e quase sempre grito por dentro: Meu Deus! Meu Deus! Porque ele me invade assim? Sem mais nem menos? Por quê ele me dói tanto vezenquando?
Em cada rosto, em cada lugar que eu vá, é como se eu sempre estivesse esperando ele aparecer, mas nunca tenho essa sorte, ou esse azar...
Quando sinto minha visão embaçar apagando o pouco que guardo, ou quando percebo que o tempo insiste em queimar minha memória, tudo o que tenho pra me segurar são algumas fotos, algumas poucas conversas e poucas lembranças, velhas lembranças.
Tantas pessoas passaram por esses braços, por essa mente fria, suja e vazia, tantas pessoas se agarraram a mim e imploraram pra ficar, pra eu amar, e no entanto, ele não pediu por nada, nunca quis nada e teve tudo.
Tantas vezes eu olhei no fundo dos olhos de alguém, senti o coração bater, dormi no calor dos braços, quando tudo o que eu queria era o olhar dele, o coração dele, qualquer calor ou coisa que ele pudesse me dar, e eu nunca tive nada, nem uma chance...
Não é isso que machuca. O que machuca é a saudade do que não existiu. O vazio de algo que nunca foi bom ou ruim. A dúvida de não saber se é tarde ou cedo demais, se devo esquecer ou simplesmente deixar mais algum tempo passar... Então ele me diz que tem medo da única pessoa que gostou dele assim, deixar de gostar a partir do momento em que conhece-lo, e eu tenho vontade de segurar seu rosto e dizer que NÃO! Definitivamente isso nunca aconteceria! Que se eu pudesse deixar de gostar dele eu faria isso agora e não estando com ele. Por mais idiota que ele seja, por mais imbecil que ele pareça, isso nunca aconteceria e  idiotisse é tentar evitar isso, imbecilidade é pensar que isso pode acontecer e me "proteger" daquilo que eu mais quero, uma chance, ELE! Isso é ser idiota!
Mas eu sei que não é esse o problema pra não me querer... Simplesmente não me querer é a resposta!
Mas e se tudo isso tivesse acontecido em outro tempo? Outro lugar? E se não tivesse acontecido?
Eu gosto dele, gosto de ter ele tatuado em mim.
Às vezes fecho os meus olhos e sinto o vento de leve bagunçando meu cabelo, sinto o cheiro de doce do meu perfume se misturando com o da chuva, com o da terra fofinha e molhada e com o da grama, e ele me vem a cabeça, ao coração, me invade como uma melodia que só minha alma sabe tocar, uma melodia que só toca em mim quando penso nele, só nele e em mais ninguém. E eu não penso em mais nada. Não existe dor, tristeza, saudade ou vazio.
Eu me encho dele e com isso me encho de mim, me encontro, me encho de vida, de alma, de amor.
É... eu amo ele. EU AMO ELE!
Porque ele está aqui dentro de mim. Porque a doce lembrança do seu sorriso, da sua voz, do seu olhar me bagunça por dentro há anos. E quando eu me encho de Deus é quando estou pensando nele, e é isso que me traz vida... E quando eu me encho dele eu transbordo de paz, eu posso então ter um sonho, alguém pra desejar, pra imaginar, e imaginar o toque dele, a textura da sua pele, tirar sua voz do meu pensamento e a tornar real, viajar em milhares e milhares de sonhos onde tudo, tudo sempre é ele...
 Thays Gomes

domingo, 12 de setembro de 2010

Está aí seu par perfeito...

Nos fizeram acreditar que amor mesmo, amor pra valer, só acontece uma vez, geralmente antes dos 30 anos. Não contaram para nós que amor não é acionado, nem chega com hora marcada. Nos fizeram acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade. Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta: crescemos através da nós mesmos. Se estivermos em boa companhia, é só mais agradável. Nos fizeram acreditar numa fórmula chamada "dois em um": duas pessoas pensando igual, agindo igual, que era isso que funcionava. Não nos contaram que isso tem nome: anulação. Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável. Nos fizeram acreditar que casamento é obrigatório e que desejos fora de hora devem ser reprimidos. Nos fizeram acreditar que os bonitos e magros são mais amados, que os que transam pouco são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto. Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto. Nos fizeram acreditar que só há uma fórmula de ser feliz, a mesma para todos, e os que escapam dela estão condenados à marginalidade. Não nos contaram que estas fórmulas dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que podemos tentar outras alternativas. Ah, também não contaram que ninguém vai contar isso tudo pra gente. Cada um vai ter que descobrir sozinho. E aí, quando você estiver muito apaixonado por você mesmo, vai poder ser muito feliz e se apaixonar por alguém.
John Lennon

sábado, 11 de setembro de 2010

Nunca diga seu santo nome em vão...

Quinta-feira, dia 9 de Setembro, na aula de Análise do Discurso a professora pede para que a gente faça uma crônica falando sobre o amor.
Sobre o amor? O que falar sobre o amor? As primeiras coisas que pensei!
Fiquei olhando para o papel e comecei pelo título: AI O AMOR...

Falar sobre o amor é tão estranho, tão vazio...
Quando penso nesse sentimento me vem a cabeça algo duradouro, o famoso "Para Sempre", como meus avós, um único casamento para a vida inteira!
Mas isso seria apenas um exemplo, um referencial, pois não é o que vivenciamos atualmente!
Hoje em dia os carros quebram fácil, os eletrodomésticos duram pouco e o amor é só mais um nessa lista de coisas passageiras, dura pouco... quebra fácil...
Mas quem sou eu pra falar de amor? Será que ele realmente existe? Será que vale a pena se arriscar por esse sentimento?
As respostas eu sinceramente não sei!
Mas me diga você! Independente de conhecer ou não, você já olhou para uma pessoa e sentiu seu coração bater mais forte, quase na garganta? Já viu essa pessoa chegando e sentiu vontade de sorrir sem mais nem menos? Sentou no banco do ônibus e passou a viagem inteira imaginando como seria seu beijo? Ou então conversou com alguém sobre ela e a pessoa riu dizendo que seus olhos estavam brilhando?
Nessas perguntas se encontram as respostas, até então de perguntas impossíveis de serem respondidas.
Seria o amor uma corrida? Uma piada? Ou apenas um sonho?
Qual outro sentimento te faz sentir assim? Tantas sensações malucas ao mesmo tempo, e a sacanagem de nem ao menos te dar a chance de reagir!
E você queima curtindo a dor, arde, e gosta, gosta sim!
E porque? Porque é algo que não chega na hora marcada, você é incapaz de controlar, incapaz de SE controlar. Você não pode olhar no relógio e dizer: Daqui 5 minutos irá acontecer! Simplesmente acontece, e você gela, paralisa e faz papel de idiota perante todos sem nem se importar!
Injusto!
É demais pra uma pessoa só, ainda mais quando não se tem a garantia de que será recíproco.
Pra que tudo isso se o final pode não ser um beijo e sim; um NÃO?
Assustador!
Só não me diga que não vale a pena! Porque vale! E como vale...
A ansiedade misturada com a incerteza, o medo, a insegurança, uma pitada de saudade e frio, falta... e às vezes até ódio!
Mas talvez o amor seja assim, seja isso!
Algo singelo, singular que tornamos plural, um sentimento nobre, mas que não necessita de riquezas materiais e sim espirituais. Uma doação um tanto exigente, que pede seu corpo e sua alma. Um sentimento que mexe com a sua imaginação, embaralha seus sentidos, transforma o tato em olfato e o paladar em audição, brinca com o calor da sua pele e te dá calafrios. Usa dos 7 pecados e ainda assim te aproxima do céu, te usa, abusa e às vezes te deixa largado, jogado às traças, caído ao chão!
Transformar o amor em palavras não é o que espero conseguir, não sou poeta ou músico, não irei fazê-lo verso ou nota, de forma vulgar e pobre digo que o amor é tudo, é o vazio dentro de você ou aquilo que transborda no outro, é aquilo que você vai deixar de acreditar algumas vezes, duvidar em outras, mas nunca deixar de sentir.
Thays Gomes

domingo, 5 de setembro de 2010

Sobra tanta falta...

O que falta nas pessoas? E o que sobra nelas?
E as respostas podem não ser as certas, mas é aquilo que vejo; coragem e medo!

As pessoas temem a morte, mas o mais triste, elas temem a vida! Elas estão aqui com medo do agora e do amanhã, assim como elas temiam o ontem e o pior, elas temem aquilo que nem mesmo conhecem!

Quando eu tinha meus 14 anos o tempo parecia estar imóvel, o ano demorava anos para acabar, já com 16 percebi que os natais começaram a ficar muito próximos uns dos outros, mal saia de uma ceia e logo estava em outra, e vem sendo assim... o tempo passa de uma forma assustadoramente rápida e então eu me pergunto: Eu estou gastando ele da forma certa? Da forma como eu gostaria? Fazendo as coisas que eu gostaria? E a resposta é uma linha tênue entre o sim e o não.

Pare e escute as batidas do seu coração!
Está ouvindo?
É uma contagem regressiva com menos tempo a cada segundo! E eu não quero saber que deixei de viver aquilo que eu queria por conta do julgamento das pessoas, ou por aquilo que uma sociedade hipócrita diz ser certo ou errado.
Quero errar em tudo o que eu puder, para enfim melhorar, mas quero errar do meu jeito, errar de verdade, errar bonito. Errar sabendo aonde e o porque e dizer: Errei na tentativa! E não me lamentar resmungando: Errei porque senti medo e não fiz!
Eu me envergonharia muito mais disso do que se fosse para ser apontada na rua por qualquer pessoa que não sabe nada que se passa aqui dentro de mim!
Mas é daí que surge as perguntas:
O que falta nas pessoas? E o que sobra nelas?
E as respostas podem não ser as certas, mas é aquilo que vejo; coragem e medo!

Tantas vezes eu busquei alguém disposto a isso e ouvi: "Você é louca?", "Você é absurda!" e no fim acabei me sentindo uma assassina ou um monstro, tudo porque eu só queria viver, mas viver de verdade e ser feliz sem ofender ninguém, nem magoar ou ferir.
Já se tornou normal estar em um mundo de críticas e falsos elogios, ou melhor, irônia pura, quando você oferece outra alternativa as pessoas acham anormal e recusam.
Será que sou eu, ou é impossível encontrar alguém que queira o mesmo? Alguém que se desponha a ser o que é e não aquilo que as pessoas esperam, que repare no sorriso, na voz, e não em rodas de carro, ou então brinque com os meus cabelos e ria de tudo e se importe com tudo, mas com tudo que valha a pena e não com aquilo que valha dinheiro...
Eu sempre acreditei no sentimento! Sempre amei a primeira vista, mas nunca encontrei alguém que me dissesse o mesmo, mas não é por conta disso que vou desistir daquilo que acredito ou desistir de encontrar quem acredite.
Eu sei que no fim da vida, todos irão chegar a essa conclusão, mas eu cheguei agora!
Thays Gomes

sábado, 4 de setembro de 2010

No vazio do seu olhar...

Sinto um vazio imenso na felicidade que eu sinto agora, é como se eu quisesse estar triste para me sentir bem...

Sabe, por um momento senti uma vontade louca de ver seu rosto. Parece que faz tanto tempo desde a última vez que te vi e pode parecer estranho, mas algo me diz que isso é saudade.
Não sei bem quem você é, bem, eu sei seu nome e algumas poucas coisas, mas não são coisas que realmente me importam, queria saber qual é a sua cor favorita ou o som da sua risada, ou então do que você tem medo, nem ao menos tive a chance de reparar no brilho do seu olhar, mas não importa, andei sonhando com isso, desses sonhos que a gente sonha acordado, em qualquer lugar, só para e fica imaginando, e de repente eu me peguei sorrindo, assim, sem mais nem menos.
Loucura minha? Talvez seja.
Fiquei pensando: poderia existir muito mais dele por aí, iguais, com o mesmo sorriso quem sabe, porque se ele não olhasse para mim, eu poderia me jogar na frente de qualquer outro, mas é uma pena você ser tão único, e é aí todo o mistério, se houvesse milhões iguais a você meu olhar de novo congelaria em ti... eu não sei porque, mas não consigo tirar meus olhos de você! Assim, desde a primeira vez, e eu não vi nada que me prendesse a atenção, mas eu queria parar meus olhos em você e cansar de te olhar, e ainda assim não cansei...
Se você pudesse ler todas as vezes que te vi de longe, o que diria? Ou não diria nada e responderia ao meu olhar?
Se você tivesse a chance de me mudar de lugar, aonde você me colocaria?
É incrível como às vezes o coração bate mais forte pela pessoa errada, ou então, pela pessoa que não vai corresponder as batidas dele!...

Mas se um dia, por um acaso, você quiser corresponder, é só me dizer e eu juro, eu largo tudo, eu faço tudo só pra me embalar com você!
Thays Gomes

sábado, 28 de agosto de 2010

Diante do abismo, dar um passo para trás é seguir em frente!

Começo minha postagem de hoje com essa frase! E o porque? Simples! Venho me perguntando: O que falta nas pessoas? E o que sobra nelas? E as respostas podem não ser as certas, mas é aquilo que vejo; coragem e medo!
Ainda que o medo seja uma forma de defesa, um extinto animal para a sobrevivência, nós seres humanos transformamos ele em um "hobby", como se fosse bonito temer o desconhecido, ou aquilo que não nos agrada sem nenhum motivo, medo de tudo, de todos...
Vejo aonde está o erro, por exemplo; as pessoas temem a morte, mas o pior de tudo, elas temem a vida! Elas estão aqui com medo do agora e do amanhã, assim como elas temiam o ontem e o pior, elas temem aquilo que nem mesmo conhecem!
Vivem uma vida inteira se perguntando sobre o céu e o inferno, gastam ela discutindo sobre as diversas formas de ir para lá ou para cá.
Eu, Thays, sei bem em que acredito, e o céu ou o inferno para mim são piadas ou então, chantagens religiosas para que nós obedeçamos por bem ou por mal aquilo que interessa ao clero!
Mas não é porque não acredito nisso que não acredito em nada!
Em que acredito?
Acredito nas escolhas que eu faço, nas pessoas que amo, naquilo que sinto e principalmente em mim! Eu sou a minha religão. Sigo a risca aquilo que minha consciência pede e aquilo que EU penso que seja o melhor para mim.
As pessoas sentem uma imensa satisfação em olhar o outro e julgar bonito ou feio, necessitam do erro das outras pessoas para descansarem pensando que aquilo que elas fizeram não é nada perto do que o outro fez ou faz, se preocupam loucamente sobre o certo ou o errado, tanto pudor, tanto "bons modos" para nada, quando tudo o que transborda é hipocrisia!

quarta-feira, 23 de junho de 2010

As 10 fobias mais esquisitas do planeta!


1. Bromidrofobia
Medo de quê - Odores do corpo
Nível de pavor - Medroso
Ok, ninguém em sã consciência gosta de ter cecê ou chulé, cuidando da higiene pessoal para não exalar esses odores pelo corpo. Só que é quase impossível não rolar um bodunzinho ou outro de vez em quando, ? Pois é esse o pavor de quem sofre de bromidrofobia. Os "zé-limpinhos" tomam vários banhos por dia e, de tanta esfregação, chegam a ficar com a pele machucada. O medo de cheirar mal pode ser tão grande que muitos evitam qualquer atividade que gere transpiração.

2. Caetofobia
Medo de quê - Pelos e cabelos
Nível de pavor - Maricas
O ator Tony Ramos e o guitarrista Slash são o maior pesadelo de quem tem caetofobia. É que eles morrem de medo de pessoas muito peludas ou com uma baita cabeleira. Em geral, os "caetofóbicos" cortam o cabelo bem curtinho ou até raspam a cabeça. Alguns chegam a contratar alguém só para lavar seu cabelo e não ter que tocar na "coisa peluda"! No outro extremo, estão as vítimas de falacrofobia, o temor de ficar careca - aliás, o que seria o paraíso para os "caetofóbicos"...

3. Deipnofobia
Medo de quê - Jantar em família ou com amigos
Nível de pavor - Medroso
Para as pessoas com deipnofobia, basta sentar à mesa para uma singela refeição e está pronto o cenário do terror: elas aprontam o maior suador, sentem falta de ar e são tomadas por uma sensação de impotência. É que elas enxergam um jantarzinho como uma terrível ameaça, que trará à tona conflitos emocionais não resolvidos. A britânica Karen Tate, por exemplo, sempre tem um ataque de pânico quando vai a um restaurante com amigos, e não vê a hora de sair do lugar. Poderia aproveitar para não pagar a conta!

4. Eisoptrofobia
Medo de quê - Espelhos e de se olhar no espelho
Nível de pavor - Medroso
Em geral, a eisoptrofobia, ou medo de espelhos, está ligada ao temor diante do sobrenatural. As pessoas temem ver no reflexo do espelho fantasmas e outros seres. Superstições ligadas a esse objeto (como a crença de que quebrar um espelho dá sete anos de azar) também ajudam a aumentar a paranóia. Até mesmo a própria imagem da pessoa pode causar terror por se tratar de algo "não humano". A atriz Pamela Anderson é uma das pessoas que preferem sacrificar a vaidade a encarar um "espelho, espelho mau".

5. Hipopotomonstrosesquipedaliofobia
Medo de quê - Palavras grandes
Nível de pavor - Maricas
O próprio nome desta fobia - o palavrão gigante acima - já obriga quem sofre do distúrbio a confrontar seu medo: um temor irracional de palavras longas ou de uso pouco comum, como termos técnicos e médicos (por exemplo, linfangioleiomiomatose). Elas também evitam mencionar palavras estranhas ao vocabulário coloquial. Segundo os especialistas, essa paúra surge do medo de pronunciar a palavra de forma incorreta e, por isso, cair no ridículo.

6. Onfalofobia
Medo de quê - Umbigos
Nível de pavor - Maricas
Nunca encoste no umbigo de quem sofre de onfalofobia, pois o cara pode ter o maior ataque nervoso. Na verdade, essas pessoas também ficam nervosas só de ver um umbigo. Quando a coisa rola com mulheres grávidas, é ainda pior. É que elas têm o maior pavor de que seu umbigo cresça demais ou fique com o formato conhecido como couve-flor. Algumas mães chegam a tapar o umbigo dos bebês com curativos para não ver a "criatura".

7. Lachanofobia
Medo de quê - Vegetais
Nível de pavor - Maricão
Cenouras, amoras, abobrinhas. Vegetais "assassinos" como esses são os algozes de quem tem lachanofobia. A forma incomoda, a cor não agrada, a textura causa aversão e o cheiro, náuseas. Em geral, a pessoa tem medo de algum vegetal em particular. Um jovem americano, por exemplo, tinha pavor de pêssegos. Certo dia, ao entrar no chuveiro da casa da namorada e ver a imagem da fruta no rótulo de um xampu, deu o maior chilique e saiu correndo da casa...

8. Automatonofobia
Medo de quê - Autômatos e bonecos de cera
Nível de pavor - Maricas
Autômatos, como bonecos de ventríloquo, são artefatos que simulam ações humanas. Mas não para pessoas que têm automatonofobia. Para elas, inocentes bonequinhos de parque de diversões são verdadeiros monstros. A visão de algo que imita seres humanos causa tremedeiras, choro e paralisia. O "machão" Hugh Jackman, o Wolverine de X-Men, já admitiu morrer de medo do Chuckie, o brinquedo "assassino". Só não contem isso para o Prof. Xavier!

9. Filemafobia
Medo de quê - Beijar
Nível de pavor - Maricão
Não há Cupido que ajude. Para quem tem filemafobia, um simples beijo é sinonimo de pesadelo. A pessoa sente enjoos e fica com a boca seca e as mãos tremulas. Em casos mais graves, chega a ter um ataque de pânico. Não rola nem beijo na bochecha a amigos e familiares. Para os estudiosos, esse transtorno está ligado a outro, a filofobia, o medo de se apaixonar. Ele também é fruto do temor de possíveis ações subsequentes ao beijo, como fazer sexo.

10. Caligenefobia
Medo de quê - Mulheres bonitas
Nível de pavor - Maricão
Também conhecido por venustrafobia, esse é o pavor sentido por alguns homens quando têm que interagir com - ui, que meda! - uma mulher bonita! Os caras sentem falta de ar, arritmia e muitos até vomitam. O bizarro terror de beldades é tamanho que alguns sujeitos até abandonam o emprego se tiver alguma gata no trabalho. Como forma de tratamento, o "coitado" é exposto a fotos e vídeos de mulheres bonitas, como Gisele Bündchen. Depois, ainda precisa encarar umas gatas em carne e osso. Ô problemão...
Revista Mundo Estranho, por Paula Carvalho

E aí, se identificou com alguma?
Espero que tenham gostado!

terça-feira, 22 de junho de 2010

Que país é esse? É a porra do Brasil!


Hoje li em uma bandeirinha num carro a frase: “SOU BRASILEIRO, SOU CAMPEÃO!”, "TROXA" foi o que eu pensei, aonde esse país é campeão? Aqui a taxa de criminalidade é absurda, a saúde é vergonhosa, a educação é um lixo, um país onde os políticos roubam descaradamente, onde os impostos são altíssimos e não vemos resultados, ONDE UMA SARGETA PINTADA GERA ESPANTO, como se fosse a coisa mais linda do mundo e só em Bauru são 22 favelas, aonde é um país campeão? Nós deveríamos sentir vergonha de vestir a camisa. Esse bando de troxa sai nas ruas fazendo barulho, buzinando, porque não enfiam as vuvuzelas no meio do cu? Ou melhor, porque não fazem barulho quando há escândalos políticos ou pra reivindicar sobre o estado deplorável dos postos de saúde? Simples! Porque ficaríamos surdos!, porque a preguiça fala mais alto, porque gostamos de viver de ilusão, porque estamos acomodados demais, e a dura realidade AINDA não nos atingiu, OU MELHOR, atingiu, mas não o bastante para a sentirmos, e nem sentirmos fome ou nos faltar dinheiro. O Brasil não merece o HEXA. Enquanto aqui tem gente passando fome, morrendo nos leitos de hospitais, OU MELHOR, NO CHÃO DOS HOSPITAIS, o Brasil merece ser perdedor no campo, como é nosso país. Enquanto comemoramos os jogos da copa aonde os jogadores ganham MILHÕES E MILHÕES para gastar com carros, baladas e mulheres, deveríamos comemorar, quem sabe, a IGNORÂNCIA que nos é imensa e grátis! É o que nosso governo mais admira no povo, o que mais há de bonito para eles.
E tenho dito!
Thays Gomes

terça-feira, 13 de abril de 2010

Do LUTO à LUTA


Eu tentei ser forte, eu tentei ser firme, mas hoje eu caiu aos pedaços.
As lágrimas que demoraram tanto para surgir, hoje ferem, a dor e a saudade teimam em competir qual das duas machuca mais.
O que ele foi para mim? Aonde ele pode estar agora? Será que ele pode me ouvir? Será que ele está em algum lugar por aqui?
Vô...
Quando meu pai sempre esteve ausente foi ele quem ocupou esse papel. Me educou, alimentou, me contou histórias sob o luar, falou sobre seus sonhos, planos...
Eu tentei não chorar, não mostrar minha dor, seu corpo não merecia ser molhado pelas minhas lágrimas, então nenhuma lágrima caiu, Deus está de prova, mas hoje... depois de 5 meses, a falta, a saudade machucam de tal forma que hoje as lágrimas caem sem precisar serem chamadas, hoje eu sofro por não ter sofrido no dia em que você se foi!
Aonde está você agora?
Porque você teve que ir?
Eu não imaginava a dor, não imaginava que a vida poderia ser tão difícil sem você. Você se foi e eu tive que suportar as pessoas que eu mais amava sofrendo pela sua partida.
Alguém disse: "Quem não chora, é quem mais sofre.".
Eu sofri tanto.
Foi a noite mais longa da minha vida, apagar as luzes daquela sala e velar você sozinha ali!
Foi horrível, vô.
Você surgi nos meus sonhos sempre sorrindo, você está num lugar tão melhor, egoístas somos nós. Eu choro e desabafo agora não por egoísmo, e sim; porque agora a saudade começou a encomodar.
Eu queria você aqui, seu velho chato, resmungão e bringão, que me mimava de tal forma, me protegia, me contemplava, me adorava como se eu fosse uma Deusa... Eu fui a filha que você não teve, a sua boneca.
Alguns dias internado, e você só resolveu partir depois que eu entrasse naquele quarto pra te ver...
E disso tudo eu tirei a seguinte filosofia, a morte é apenas um ciclo, uma passagem, um mistério, hoje sentimos falta, saudade, tristeza porque não sabemos o que existe do outro lado, pode ser que amanhã este ciclo termine para mim e eu te encontrarei, muitos aqui irão sofrer com isso, mas então, chegando lá eu entenderei o quanto fui tola por sofrer tanto aqui e então, finalmente iremos rir de tudo isso...
Quando alguém que amamos parte, não pensamos na vida que ela deixou e sim, como será a vida, a nossa vida, a partir de agora, choramos por medo do que iremos enfrentar, por egoísmo, por isso naquele dia eu não chorei, porque eu apenas queria que você não fosse embora com uma mala pesada de lágrimas, mas hoje de algum lugar você me consola e entende porque agora eu choro.
Vô, aonde quer que você esteja, não deixe de estar aqui porque ainda sinto sua presença.
Thays Gomes

sábado, 3 de abril de 2010

Dei-me


Quero abraçar o mundo, quero tirar toda dor que o rodeia, toda a miséria, a poluição, toda a desgraça, o sangue nas calçadas, a fome, quero roubar a tristeza, o ódio, as lágrimas que gotejam pelo chão, quero acabar com as guerras, e quero apagar suas luzes, para deixar ele ser iluminado, pelo menos por alguns minutos, pela luz das estrelas e o brilho da lua...
Quero pegar o riso das crianças, a sensibilidade dos cegos e o impoviso dos deficientes e entregar a essa mundo tão barulhento, insensível e acomodado.
Quero sorvetes sabor beijo de língua, quero o calor do abraço como temperatura, quero o frio na barriga de um flerte como bom dia!
Quero amor em excesso.
Quero um mundo delirante, delicioso, sem regras, sem limites, sem leis, sem transtornos, mentiras, enrolações e banalidades.
Quero que o Rock toque nas cafeterias, shoppings, mercados e despertadores.
Quero um mundo onde se possa viver de verdade, e não fingir que se está vivendo.
Quero ligar a televisão e ver algo que preste, que me acrescente algo, quero abrir os jornais e não ver roubos de políticos, nem crianças sentindo fome, quero andar pelas ruas e não ver animais abandonados e doentes. Quero um mundo como ele deveria ser, aqui era para ser o paraíso, como podemos morrer e ser mandados para o inferno quando aqui é o inferno?
Um pôr-do-sol, uma lua cheia, o mar, não tornam este lugar melhor quando alguém em algum lugar sofre, chora, sente fome, frio, sede e dor...
Quero quadrinhos do super-homem pelas paredes, eu quero um super-homem para salvar o mundo, quero que todos se tornem heróis, quero que os bandidos morram, e se aqui não for inferno, quero que eles sejam mandados para lá.
Quero apenas o que deve ser, quero ser feliz, não apenas por mim, mas pelos meus iguais.
Thays Gomes

domingo, 28 de março de 2010

TPM masculina sim senhor!


TPM: Todos os Problemas Misturados, Tendência a Pontapés e Murros, Tô Puta Mesmo!, Temporada Proibida para Machos e por aí vai... MAS o pior de todos os significados e o "verdadeiro" é: Tensão Pré Menstrual, se é que alguém não sabe.
Os homens costumam achar frescura, besteira, até serem atingidos (direta ou indiretamente) por ela, parece que os homens estão começando a ter TPM junto com suas mulheres, namoradas e amigas.
Vamos esclarecer o que é tudo isso, o porque de tamanha "frescura", que de frescura não tem nada.
Nós mulheres sabemos BEM o quanto essa frescura não tem nada de charmosa e incomoda, incomoda demais, somos afetadas psicologicamente e fisicamente por esse mal NÃO necessário. Sentimos cólicas, para os homens que infelizmente só sentem essa dor parecida se tiverem cólica de rins, aqui vai uma praguinha, espero que um dia vocês passem por isso, voltando, sentimos muita, muita irritabilidade mesmo, tudo nos tira do sério, alguém subindo a plaquinha duas vezes seguidas no MSN já é motivo para bloquear, mas antes disso, mandar ela ir para o meio do inferno!
Nos sentimos deprimidas, famintas o tempo todo, e nos surge espinhas e mais espinhas, essa é a pior parte de todas, fisicamente falando, e não por estética e sim; espinha dói pra caralho! Fora que dói as mamas, é quase impossível dormir de brusso. Choramos feito loucas, até mesmo por uma folha caindo da árvore, nos perguntamos: - Porque meu Deus? Era só uma folhinha indefesa, ela não merecia esse destino!
Ficamos ansiosas, mudamos de humor fácil, fácil, viramos felizes, desviramos raivosas e ficamos inchadas! E tudo isso para depois, COMO SE NÃO BASTASSE, sangrar! Entenda: a vida é injusta!
5 dias de inferno, mais uma semana de inferno duplicado, e os homens reclamam de que?
De descontarmos neles? De ficarem sem sexo? Só porque eles têm que aguentar essa nossa fase ruim, da qual não pedimos para ter? E nós que temos que aguentar todas essas dores e ainda por cima aguentar eles reclamando por termos dores, como se nós fossemos culpadas por isso! Nós mulheres temos muita paciência mesmo viu...
Mas aí é que está, homem também sofre de TPM, Tensão Permanente Masculina, e sabe como reconhecer o "pobre homem" que sofre desse mal? Simples, é aquele homem que reclama de tudo, da empregada, de você, da sua TPM, do trabalho, do patrão, aquele homem que dirigi agressivamente e por aí vai e tudo cientificamente comprovado: Excesso de testosterona e falta de serotonina. Direitos iguais né!
Bom, mas de qualquer forma e bem além de qualquer TPM, só fica tensa (o) e extressada (o) quem quer, quem tem falta de amor e carinho.
TPM, tanto masculina quanto feminina, é uma fase que causa mudanças físicas e psicológicas por um curto período de tempo e tudo por culpa dos hormônios. Então aí vai uma dica: Ame bastante, em excesso, assim, ambos não terão tempo para TPM!
Thays Gomes

sexta-feira, 26 de março de 2010

Eu escolhi jornalismo ou foi ele quem me escolheu?


Nunca soube fazer escolhas, sempre fui cheia de dúvidas e sempre vi boas possibilidades entre as opções que me foram dadas, enfim, nunca soube escolher e sempre quando escolhi, escolhi errado. Porém aos 17 anos tive que escolher o que fazer da vida, me deram um empurrãozinho, um tapinha nos ombros e falaram: "É! O que você vai fazer da vida? Em que curso vou te matricular?"
Como assim? Como foram capazes de dar tamanha responsabilidade em minhas mãos? Só tenho 17 anos, como escolher o que farei da vida? Uma vida que pode chegar aos cem anos...
Quando eu era pequena sonhava em ser veterinária, qual criança nunca exitou essa possibilidade, a partir dos treze anos fixei em minha cabeça que queria ser bióloga marinha, para ser sincera tenho uma profunda tristeza em lembrar que fui capaz de desistir, confesso que mar, água, profundidade, desconhecidos e tubarões me atraem demais, o perigo em si me excita, e vi em biologia marinha um fundo de perigo delicioso, mas aos 17 anos mudei de ideia fulminantemente e então, quando a mais profunda das certezas era a biologia, virei para a minha família e disse: "JORNALISMO!".
É claro que de primeira ouvi, "Jornalismo? Oras, mas não precisa mais de diploma!", mas não ouvi isso da minha família e sim das pessoas de fora, minha família sempre me apoiou em tudo, e logo foram atrás do melhor para mim...
Pra vocês terem uma noção, prestei algumas faculdades públicas, mas em nenhuma me inscrevi para jornalismo, caí de para quedas nesse curso e confesso que bati feio a bunda no chão.
Quis a vida inteira me envolver com animais, conhecer os bichos, e acabei mechendo com o mais traiçoeiro das espécies, o ser humano.
Me apaixonei, nunca soube fazer escolhas, sempre fui escolhida ou sempre escolhi errado, mas confesso que ter escolhido jornalismo é algo que vai muito além de mim, é algo que eu amo e quando eu falo em jornalismo meus olhos se enchem de lágrimas, é como se fosse algo vindo de dentro de mim, é como um filho no ventre de uma mãe, mesmo ela não tendo ele nos braços, mesmo sendo tão desconhecido, ela ama, sem muitas explicações, apenas ama!
Estou apenas começando o curso, ainda é um feto, mas não vejo a hora do tempo passar, desse bebê crescer, de me tornar uma jornalista de verdade, de ter o meu bebê nos braços. Quando eu penso no futuro eu vejo o amor, vejo uma rotina cansativa, mas que vai me satisfazer e que no final do dia, eu estarei cansada mas ao mesmo tempo com a sensação de missão cumprida.
Uma vez minha professora disse que jornalistas têm meio que a síndrome de Clarck Kent, o super-homem que se disfarça de jornalista, a vontade de mudar o mundo, e às vezes eu me pergunto se eu não possuo essa síndrome, porque essa é a minha vontade, não quero futilidades, nem mentiras, nem vulgaridades, eu quero a verdade, não coberta por patrocinadores ou propagandas, quero dar as pessoas o conhecimento necessário para elas serem pessoas de verdade e não máquinas comandadas pela mídia e capitalismo.
Enxergo jornalismo dessa forma.
Tenho orgulho do que eu escolhi para a minha vida. Sei que hoje eu escrevo aqui e poucos lêem, mas e no futuro? Se eu puder mudar algo na forma de pensar dos poucos que lêem meu blog decadente, e conseguir mudar para melhor, já fico feliz. Mas se um dia eu tiver a chance de melhorar minhas ideias, minhas opiniões e vir escrever aqui para MUITOS lerem e com isso, mudar para melhor muitas pessoas, que sonho bom, e que sonho totalmente possível!
É por isso que eu enxergo o amor no futuro, eu sinto amor em poder usar as palavras de forma simples, mas da forma certa para que alguém entenda, sinta o que eu sinto pelas coisas que eu digo!
Thays Gomes

"Jornalismo, independentemente de qualquer definição acadêmica, é uma fascinante batalha pela conquista das mentes e corações de seus alvos: leitores, telespectadores ou ouvintes. Uma batalha geralmente sutil e que usa uma arma de aparência extremamente inofensiva: a palavra!"
(Autor Desconhecido)

quarta-feira, 24 de março de 2010

RACIST NO!


Cotas para negros, pardos, índios, racismo, descriminação... unf
Sabe realmente o que eu penso sobre isso?
Existe sim pessoas racistas e tudo mais, porém maior racismo é a criação de uma lei que determina cotas para determinadas "raças", que lixo!
Isso é uma declaração de que o negro é inferior ao branco, de que o índio é inferior ao branco, de que o amarelo, verde, azul, são inferiores ao branco! E isso não sou eu quem está dizendo, é a lei que indiretamente e "sem querer" nos mostra.
Querem acabar com o racismo, não só para com os "afro-descendentes", mas para com os indígenas, pardos etc e tal, criando MAIS racismo, só que a diferença é que o governo parece usar o típico "lobo em pele de cordeiro", fica maquiando certas coisas e um exemplo disso seriam as cotas!
Somos todos iguais, aparentemente ninguém é igual a ninguém, claro, porém na genética sim, temos a mesma capacidade, dizer que uma pessoa precisa de cotas para estar em determinado lugar é insinuar que sozinha, pela capacidade dela, ela não seria capaz e não conseguiria.
Uma vez meu professor deu o seguinte exemplo para um colega "afro-descendente": "Amanhã você pode estar numa faculdade federal, e lá vai estar o amigo com a namorada apontando para você e dizendo para o outro amigo: - Oh, sua namorada poderia estar aqui com a gente agora, mas por causa dele, ela não está."
Que coisa, não? É assim que pretendem acabar com o preconceito?
Certas coisas são aceitáveis, como por exemplo mudanças de determinados locais, como ônibus, calçadas, para a boa circulação de deficientes físicos, agora, cotas? Para que? É dizer que quem não é branco tem alguma deficiência e precisa de diferenciação?
É a mesma coisa que criarem uma cota para mulheres, oras, sofremos tanto antigamente, fomos tão descriminadas, não tínhamos direito a praticamente nada, somos consideradas o "sexo frágil", então porque não uma cota para mulheres?
Ou então, uma cota para gays!
Fala sério! Se criassem cota para mulheres, eu como uma, lutaria contra isso até o fim. Poderia haver os lados bons, eu poderia estar numa faculdade federal quem sabe, mas sentiria vergonha, porque seria uma regressão e não um progresso! Os negros lutaram tanto para se libertar e hoje aceitam isso? Os Índios lutaram tão ferozmente pela suas terras e hoje se substimam a isso?
É um erro, o preconceito nunca vai acabar enquanto houver toda essa estupidez, que o próprio governo impõem e que todo mundo aplaude!
Somos todos iguais, nunca vi um sangue humano verde, nem rosa, nem lilás, todas as raças têm sua beleza, o índio com aquela pele vermelha e aqueles cabelos lisos e pretos que parecem ser tão acolhedores e quentes, os negros com aquela cor de chocolate que dá água na boca e com aquela garra que contagia, o branco que me lembra inverno e marcas de biquíni quando se expõem ao sol, os amarelos com seus olhos puxados e ao mesmo tempo encantadores...
Às vezes as próprias raças se colocam barreiras, são preconceituosas consigo mesmo.
Racismo, preconceito... uma lei punindo pessoas assim é totalmente apoiável, agora, qualquer coisa que nos faça pensar que certas pessoas são incapazes de determinadas coisas apenas pela cor da pele, daí já é uma RIDICULARIZAÇÃO DA RAÇA HUMANA!
Thays Gomes

Desisto! Eu não posso viver sem mim!



Eu me amo, eu não posso viver sem mim.
Eu me aguento 24 horas por dia, durmo e acordo comigo. Eu me encrenco, eu me tiro das roubadas. Eu me consolo, me aconselho, me reprimo e na TPM sou eu quem me aguento.
Como eu poderia viver sem mim?
Eu quem me lavo e tenho que secar, eu me troco, destroco... troco de novo, visto a calça, calço o tênis, me penteio e me perfumo. Eu tenho que me aguentar e não posso fugir, nos dias ruins eu sou obrigada a estar lá.
Sou eu quem olha para o espelho e diz: - Porra! você está um caos hoje! E sou eu quem responde: - Vai se ferrar! Eu não vou fazer nada o dia inteiro mesmo.
Céus! Como eu poderia viver sem mim?
Ninguém fecha meus olhos e puxa a coberta no meio da noite quando perco o sono, tenho que cantar canções de ninar para eu mesma dormir.
Que relação mais complexa. Se eu quisesse fugir de mim, teria que me levar junto.
Se eu pudesse fugir de mim mesma, eu não fugiria. Odeio a hipótese de me perder, já sinto saudade de mim junto a mim.
Às vezes é difícil, que relação não é complicada em alguns momentos? Mas essa... Talvez seja a relação mais duradoura. E é verdade quando eu digo que não posso viver sem mim, é do fundo do coração, se eu fugisse de mim quem cederia um coração? É, eu não posso viver sem mim!
Thays Gomes

domingo, 21 de março de 2010

hey men!


Homens... altos, baixos, magros, gordinhos, obesos, pançudos, malhados, bronzeados, branquelos, negões, carecas, de topete, cabeludos, roqueiros, pagodeiros, sambistas, sossegados, tarados, pervertidos, machistas, gays...
Existem HOMENS e HOMENS, de todos os jeitos, tamanhos, formatos, estilos e cores, para todos os gostos e para ninguém botar defeito. Mas, ainda que gosto não se discuta, qual seria o homem "perfeito"?
A embalagem não importa, não é mesmo? O melhor de tudo é o que tem dentro dela, o presente em si, porém, uma bela embalagem enche os olhos e nos faz pensar, "hmmm, o que tem dentro deve ser bom!", fora que algumas a gente até guarda...
Bom, vamos ao que interessa vai...
Não basta ser bonito, FATO! Como exemplo temos o inesquecível Felipe Dylon (não que ele faça meu tipo, mas que na época arrasou corações, isso não dá pra esquecer).
Garoto carioca, de pele bronzeada destacando os olhos verdes e um sorriso até que bem simpático, quase que o genro que mamãe pediu a Deus e o namorado que a filha fez promessa para conseguir, mas era só ele abrir a boca e dar alguns passos que NOSSA! já ouvi contos onde sapos viravam princípes, mas o que acontecia com ele não era nem mágica, era uma mutação, de princípe para sapo ou qualquer coisa muito bizarra, aquele sotaque irritante e BEM definido, aquele andar saltitante...
Continuando...
Acho que o "homem perfeito" não precisa ser necessáriamente perfeito, só basta ter algumas qualidades quase que essenciais em qualquer ser humano, por mais que falte em alguns.
No meu caso por exemplo, homem tem que ser inteligente, não digo um super intelectual, nerd, fanático e super aplicado nos estudos, mas a ponto de ser interessante e não um tremendo pateta. Nada de "ogro", gente, o Shrek não é atraente, homem tem que ser cheiroso e de preferência não ser verde HAOISUEHAOISUE Gentileza, carinho e atenção nunca foram desculpa para término de relação alguma, então aí está mais 3 requisitos básicos.
Homem era para ser sinônimo de atitude, mas ainda não consigo entender como alguns são tão, mas tão, desprovidos desta qualidade. Atitude e personalidade, alguma vez alguém disse, ou você tem ou você não tem! Alguns quando nascem sem essas duas coisinhas, morrem sem! Isso é bem triste.
E música? Gostando de música boa é o que importa! Para quem já assistiu o clip "Garota Radical - Cine" sabe do que eu vou falar, ninguém é capaz de conquistar ninguém cantando: "Aposto um beijo que você me quer...", nem no clip deles mesmos HAOISUEHAOISUE
Pra fechar... carater, bom humor, respeito, honestidade e sinceridade tornam qualquer pessoa fisicamente linda!
Nenhum homem precisa ser lindo, maravilhoso, bombado ou bom moço, Leornado Di Caprio está solteiro até hoje... o negócio é, que as qualidades, não as físicas, mas as qualidades de verdade, sempre vão se sobresair, os homens perfeitos não são os galãs, os homens perfeitos são aqueles capazes de fazerem uma mulher COMPLETAMENTE feliz, satisfeita e completa (o que é quase uma missão impossível), porém acredito que os homens não são todos iguais, como eu disse no começo, existem HOMES e HOMENS, então sempre haverá o homem que poderemos dizer, ele é um homem de verdade!
Thays Gomes

sexta-feira, 19 de março de 2010

We can do it!


Hoje, na sala de espera de um consultório médico, sem nada para fazer, comecei a folhear a revista Cláudia, vi uma crônica interessante, sobre as mulheres estarem se tornando mais "fortes", mais insensíveis que os homens e menos choranas, e a ideia que essa crônica me passou foi que; se a mulher não se mostra sensível, desprotegida e vunerável ela não consegue "conquistar" um homem, não consegue receber um carinho. Enfim, ao final da leitura eu pensei, que estupidez! Qual a mensagem disso tudo? Mostrar às pessoas que as mulheres estão se igualando aos homens, ou o objetivo foi dizer: "Hey mulheres, sejam fracas e burras, não entendam sobre política nem econômia, e também não se interessem por futebol, pois isso é coisa de homem, e seguindo esse meu "conselho" vocês serão tratadas a moda antiga!".
Confesso que me senti ofendida, pode ser que a intenção da autora não tenha sido essa, mas que para mim ela passou uma mensagem extremamente ridícula, passou, e isso não vou negar.
Pensando nisso... Cá estou!

Como seria a mulher ideal? A mulher de verdade?
Ataulpho Alves e Mário Lago, compositores da música "Ai que saudades da Amélia" que me perdoem, mas mulher de verdade era a última coisa que Amélia era!

Para quem diz que "mulher é o sexo frágil", vendo por certo ângulo, pode-se dizer que as mulheres lutaram muito mais do que os homens durante toda a história, estes nasceram com os direitos garantidos. NÓS lutamos, e muito, por direitos que eles sempre tiveram e não precisaram conquistar!
Lutamos pela igualdade dos sexos, lutamos para ter o direito de votar, para ter a chance de ir à luta, pegar no batente e mostrar que força não está só no braço e com isso veio a luta para ter os direitos iguais aos dos homens no trabalho.
Chegamos aonde queriámos!
Trocamos as saias por calças, nos tornamos o chefe da família, muitas vezes fazemos o papel de homem e mulher, pai e mãe, para educar os filhos. Trabalhamos o dia todo e chegamos em casa para trabalhar, quem sabe, o dobro! Passamos, cozinhamos, limpamos, SANGRAMOS, morremos de cólica, mas ressuscitamos e não reclamamos.
A força, a coragem, o que for preciso para uma batalha duradoura e árdua está em nós, nasceu com nós. Queríamos o espaço JUSTO na sociedade e conseguimos.
Para ser mulher não precisa ser chorona, não é necessário viver de saias, não precisamos nem devemos ser fracas, frágeis ou melosas. Somos mulheres, queremos sim carinho, afeto e um ombro masculino, nos emocionamos, sim! Nos apaixonamos, nos comovemos, adoramos receber flores, bilhetes, olhares...
Ter fibra, ser forte não é vergonha alguma. Entender de política, futebol, sinuca, truco, econômia não é problema algum, não é nenhum defeito nem sinal de que somos menos mulheres ou até mesmo menos femininas.
Não queremos uma visão de um ser de pedra, sem sentimentos ou emoções. Digo apenas, já foi o tempo que Amélia era mulher de verdade, hoje em dia a mulher de verdade é independente, se ama, se cuida, é vaidosa, sim! Fala palavrão, vai à luta sem medo, é forte, batalhadora e otimista, apaixonante, delicada até mesmo batendo cimento, e mais, temos o dom da vida, por mais que digam que nos igualamos aos homens, estes nunca saberão qual é a sensação de carregar uma vida dentro de si, até a dor do parto nos foi entregue, e não porque merecemos sofrer, e sim; porque os homens não aguentariam tamanha dor.
E para os homens que admiram mulheres fortes, nós admiramos vocês!
Thays Gomes

"As mulheres constituem a metade mais bela do mundo."
(Jean-Jacques Rousseau)

Otra vez mi boca insensata vuelve a caer em tu piel...


Hoje acordei querendo ouvir algo diferente e ao mesmo tempo de qualidade, a primeira banda que me veio à cabeça foi MANÁ, a primeira canção da banda que eu ouvi foi "Vivir sin aire" que tocava na novela "Mulheres Apaixonadas" HAOISUEHAOISUE para quem não sabe e/ou não conhece, Maná é uma banda de pop rock mexicana fundada em 1980 em Guadalajara, inicialmente com o nome de "Green Hat". Alguns anos depois mudou para "Sombrero Verde" e posteriormente para "Maná".
Atualmente é uma das bandas de rock latino de maior sucesso. O primeiro single, "Labios Compartidos" lançado dia 10 de Julho de 2006 (do penúltimo álbum chamado Amar es Combatir lançado mundialmente em 22 de Agosto de 2006) teve sucesso imediato nas rádios mexicanas e logo, nos EUA, atingindo o primeiro lugar nas rádios pop latinas em pouco mais de uma semana do lançamento. O segundo single fez sucesso parecido alcançando também a primeira posição na parada das rádios latinas dos EUA e em toda América Latina e Espanha. O último lançamento foi o álbum Arde del Cielo.

Vale a pena conferir pessoal, a banda é boa, eu garanto!

quinta-feira, 18 de março de 2010

Muito bem, agora senta aqui e me explica...


Confesso que política nunca foi o meu forte e continua não sendo, porém hoje enchergo esse assunto com outros olhos e de uma outra maneira.
"O homem é um animal político", hoje entendo o porque dessa frase, todos os nossos atos são políticos. Vivemos em sociedade, nos relacionamos com as pessoas da nossa faculdade, do nosso bairro, do nosso trabalho, temos a opção de jogar ou não lixo nas ruas, de escolher qual o melhor para nós mesmos, temos a opção de abraçar uma causa ou simplesmente esperar que o outro abrace e melhore o mundo para nós, a partir do momento que fazemos nossas escolhas, não apenas votando em determinado candidato, e sim, durante o nosso dia, estamos vivenciando a política. Todas as escolhas que fazemos na vida tem consequências e somos responsáveis por nossas ações. A omissão, até mesmo a indecisão, significa deixar que os outros escolham por nós.
O ato de votar é mais um ato político, tem o mesmo peso que qualquer outra decisão que você tenha que tomar.
Se sua vida depende dos seus atos, se você pode se foder por dirigir bêbado e foder a vida de outra pessoa, pode acreditar que também pode se foder e foder o outro por pensar que seu voto é apenas mais um e que não fará a diferença, ou então você vai se foder mais ainda por nem ao menos procurar saber quem você está elegendo para te representar.
As pessoas reclamam que a educação é falha, que a saúde é uma bosta, que o salário minímo não rende, e elas estão certas, mas a culpa é da própria população que aceita as "promessas", os brindes e os shows grátis, mas depois que elege RECLAMA, RECLAMA, mas não cobra, não exige, e com isso pode passar vários mandatos, várias eleições, os políticos não vão mudar! Eles continuarão roubando, os nossos direitos básicos continuarão uma merda, não vai surgir um político disposto a revolucionar, e sim; NÓS TEMOS QUE SER A REVOLUÇÃO! 2010 não está aí, 2010 é agora! Você quer esperar mais 4 anos pra mudar? Pra melhorar? Pense nisso!
Thays Gomes

I go crazy, crazy, crazy for you baby!!!


Não sei se considero a notícia boa ou ruim, no meu caso ela é péssima!
Aerosmith (banda de hard rock dos Estados Unidos, formada em Boston, Massachusetts no ano de 1970, que tem no vocal Steven Tyler) vem ao Brasil, SIM!!! Fará show na cidade de São Paulo, no dia 29 de maio no Palestra Itália, informou a Time For Fun. A banda revelou em vídeo que virá à América do Sul, depois de muita confusão em torno da saída do vocalista Steven Tyler.
"É o melhor do Aerosmith chegando para agitar o seu mundo! Nós estamos a caminho de Caracas, Bogotá, Lima, Santiago, Buenos Aires e São Paulo", contaram os integrantes.
A venda de ingressos em pré-venda para clientes Credicard, Citibank e Diners começa no dia 13 de março e para o público em geral se inicia em 20 de março.

É, Aerosmith vem ao Brasil e eu não vou!

Once upon a time...


Eu queria ser a pessoa certa, na hora, no lugar e no dia certo.
Eu queria mostrar às pessoas, em especial à você, de que eu vou muito além das palavras, só preciso de uma chance.
Fria, insensível, vazia... disseram até mesmo que eu não servia para o "amor", mas o que ninguém conseguia enchergar é que de amor eu sou feita, como se cada célula do meu corpo fosse composta dessa misteriosa... substância? Sentimento? Chame do que quiser.
Mas que tipo de amor é esse?
Me dá vontade de chorar, sinto uma profunda tristeza ao ver um passarinho preso em uma gaiola, esse é o tipo de coisa que me ofende; privar as pessoas, os seres de serem livres.
As pessoas podem não notar, nem mesmo entender, mas elas sentem, liberdade não é falta de amor, é excesso e é isso o que eu amo.
Gosto de ser livre em cada parte de mim, em cada momento do meu dia. Livre para expressar meus sentimentos, meus pensamentos, livre para mudar, de roupa, de cabelo, de opinião!
Não gosto de ficar presa a um só sentido. Eu gosto de ver, observar as pessoas, os seus sorrisos discretos, mas também gosto de sentir. Sentir os cheiros, brincar com os cabelos, sentir a textura da pele e seu toque quente ou frio, de olhar nos olhos e também de provar o gosto... principalmente dos beijos.
As pessoas provavelmente não entenderão, elas dirão que quem escolhe ser livre abre mão da fidelidade, porém quem é livre sabe o que é ser fiel, principalmente aos sentimentos, ser preso pacificamente pelo amor, preso as pessoas que realmente amamos!
Liberdade nasceu comigo e está em mim! A partir do momento em que me senti livre pela primeira vez e pude entender o que aquilo significava para mim, nunca mais me deixei ser presa.
Thays Gomes

Again and again


Este será meu primeiro post. Não sei ao certo como deveria ser, já que o primeiro a gente nunca esquece HOAISUEHOAIUSE
Porém não pretendo falar sobre mim, pelo menos não agora. Pensei em algo que eu goste, mas acabarei postando algo que eu amo... Filmes, atores, diretores, escritores, estranhezas, personalidades, toda essa pluralidade para "descrever" duas pessoas incríveis, Tim Burton, o estranho e brilhante escritor e diretor, e Johnny Depp, oh céus, muitas falariam - O gostoso, sexy, delicioso Johnny, mas eu não penso assim... Mentira, ele tem lá seus dotes, mas também é de se notar que ele vai muito além e se a "parceria" dele com Tim Burton dura a tantos filmes, pode-se dizer: o Estranho Depp!
Ontem a noite pensando sobre isso resolvi pesquisar ao certo em quais filmes Johnny trabalhou com Tim e a lista foi de 7 filmes, que eu posso dizer que são extraordinários e alguns até inesquecíveis como o primeiro de todos: "Edward Mãos-de-Tesoura" (1990), seguido de "Ed Wood" (1994), "A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça" (1999), "A Fantástica Fábrica de Chocolate" (2005), "A Noiva Cadáver" (2005), "Swenney Todd, o Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet" (2007), e o tão esperado "Alice no País das Maravilhas" (2010) que estreiará em abril!
Thays Gomes