quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Só porque você é diferente de tudo

Eu quero acreditar em tudo aquilo que ainda não acredito. Quero acreditar desde que seja com você, porque além de diferente de tudo, você me faz um bem danado. Por favor, seja o maior amor do meu mundo, mude meu universo inteiro. Agora, desde que eu tenha você, não há mais nada para pedir aos céus.
Porque além de lindo você me enche de paz, e quando a sua mão segura a minha eu tenho vontade de não soltar nunca mais, além de quente ela me acalma. 
Então você olha nos meus olhos e eu tenho quase certeza de que tudo isso é só mais uma das suas brincadeiras bobas, e quando você me beija, eu aposto que não vai dar certo, mas não sinto medo, nem vontade nenhuma de me proteger, ao contrário de tudo isso, eu só quero mais tempo ao seu lado, eu só quero você na minha vida, em tudo o que eu puder te ter, em todos os segundos, a cada momento, porque você é diferente de tudo e me faz um bem danado...
Thays Gomes

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Ah o amor...

Em um belo dia ensolarado de verão, onde passarinhos felizes cantavam pela manhã e deliciosas risadas de crianças (ou seria risada de crianças deliciosas?) impregnavam no ar, meu professor de redação "obrigou" o 2º colegial a escrever uma crônica sobre o amor. Ah o amor...
Lembro que ele citou Camões, Shakespeare, Cazuza, Legião Urbana, enfim, tudo para nos inspirar a escrever coisas lindas, românticas e profundas. "Ok, vamos lá!" foi tudo o que eu tinha para pensar em um primeiro momento. Minha crônica ficou em torno de 30 linhas? Por aí, e comecei com a seguinte pergunta: O que te faz acreditar nesse amor romântico? As músicas POPs britânicas, o filme Romeu e Julieta? ou os finais felizes dos contos de fada? Ao menos que você tenha vivido uma linda e duradoura (quando eu digo duradoura quero dizer "uma vida inteira") história de amor e que me conte depois, leia esta crônica até o final.
Bom, agora estou com muita preguiça de continuar... então, talvez amanhã!
Thays Gomes

terça-feira, 30 de agosto de 2011

O que eles acham

Eles acham que a conhecem como ninguém, eles só acham, e para ela esse "achismo" é ótimo. Eles sempre pensam que conseguiram entendê-la e que 99,9% do caminho já foi percorrido, mas jamais conseguiram o 00,1% que falta.
Eles olham no fundo dos seus olhos e ela olha de volta, mas evita sustentar o olhar, evita sustentar qualquer tipo de contato porque ela sabe que machuca, e dói demais as futuras rupturas. Só ela sabe o quanto custa permanecer refletido em seus olhos por mais de 5 segundos, nenhum daqueles que permaneceram alí sabia que aquilo significa entrar em sua vida, ter permissão para surtar a sua alma...
Eles acham ela tão racional, eu também acho isso, mas ninguém jamais perguntou de onde vem tanta razão. Ninguém jamais perguntou: medo? mágoa? ou descrença?
Se ela deixasse alguém entrar em seu mundo, conhecer os seus sonhos e segredos, descobrir os seus planos, com certeza essa pessoa fugiria sem dizer adeus, é o que todos fazem, é quase como a ordem natural das coisas, curar seu coração para partir o de outra pessoa, ela sabe disso, sempre soube. Essa história já foi contada e decorada, por isso ela se poupa de abrir seu coração, porque ela sabe que é permitir que o outro faça o que bem entender e ela jamais suportaria a dor de ter ele quebrado.
Não terminado... talvez!
Thays Gomes

segunda-feira, 11 de julho de 2011

10 de Outubro de 2007

"Amar foge a todas as explicações e eu te amo.
Mesmo tendo escrito essa quantidade
de coisas, em momento algum desejei explicar.
O meu sentimento por você é o que me faz seguir.
É a sensação mais simples e ao mesmo tempo
a mais complexa.
Meu sentimento por você é o que
me faz enxergar o mundo mais
lindo e colorido.
Você despertou em mim algo humano,
e que mesmo sendo humano é perfeito.
É o que vence a gravidade e te faz voar.
Faz crescer e alcançar as estrelas,
e mesmo no verão,
faz você sentir aquele friozinho na barriga..."
Thays Gomes
Essa é a nossa história. Teve início no dia 10 de Outubro de 2007, mas não me lembro de quando terminou (engraçado como nunca marcamos a data do fim).
Eu tinha 15 anos e você 17.
Assim como o fim, o começo também foi por minha culpa, pela minha enorme falta do que fazer que mais tarde me levou a entrar em uma academia. Foi aí que as coisas começaram a mudar, mas não nos primeiros meses.
Fiz amizade com quase todos os meninos, mas alguma coisa me impedia de simpatizar contigo.
Lembra? Sempre comentei que a primeira pessoa da academia que encontrei no orkut foi você, mas também foi a única que não adicionei. Não conseguia "ir com a sua cara", te olhava e via um mauricinho, um filhinho de papai e por conta dessa visão eu me afastava ainda mais. Nunca quis fazer parte do grupinho de meninas que te cercavam.
Até que em um belo dia você me adicionou. Lembro que pensei "Uau! o playboyzinho resolveu me adicionar?" te aceitei e quando cheguei na academia você nem olhou na minha cara. O quê eu poderia pensar né? Morri de raiva "Idiota, mala sem alça!" era tudo o que eu conseguia dizer a mim mesma naquele momento. Mas tudo bem, você era indiferente.
Indiferente até o momento em que resolveu me dizer oi.
Eu estava de costas pensando em qualquer outra coisa e você chegou comentando que havia me adicionado e blá, blá, blá... desse dia em diante a imagem do metidinho foi se apagando, e mesmo virando amigos o meu coração gritava: AMIGO? ELE NÃO PODE SER MAIS UM DOS AMIGOS DA ACADEMIA. JAMAIS! e claro, o seu também gritava o mesmo.
Depois de mais um tempo você resolveu me chamar para uma dessas festinha de colégio. Fui na esperança de acontecer algo bom e o quê eu encontro? Você com a sua "ficante". O que eu poderia fazer era curtir oras, a decepção foi grande, mas a vontade de mostrar à você que estava tudo bem era maior.
5 dias depois dessa festinha infeliz você me chamou pra sair. Fomos ao cinema assistir Os Simpsons. Adorei aquele dia. Talvez nunca tenha dito, mas você saindo no meio do filme porque eu tinha que ir embora, ter ficado lá esperando minha avó comigo, foi especial demais.
Ficamos por 1 mês. Você lembra do que a gente aprontava? Sempre saía mais cedo da academia e depois tinha a cara de pau de voltar. Lembra também do dia em que minha avó ficou me procurando feito louca? Era pra eu estar lá na academia...
Até que no dia 10 de Outubro você resolveu me pedir em namoro. Que maneira mais idiota de pedir alguém em namoro. Disse que precisava falar muito sério comigo, criou o maior clima de suspense e quando chegou o momento disse: "NÃO QUERO MAIS FICAR COM VOCÊ!"... Eu, esquentadinha como sempre, dei as costas e saí andando. Então você me puxou pelo braço e disse: EU QUERO NAMORAR COM VOCÊ!
Aceitar era o mínimo que eu poderia fazer!
Não tem como relembrar todas as coisas, foram muitos momentos bons, muitos gestos simples mas significativos demais. Tudo o que eu consegui guardar está e ficará para sempre comigo. Como aquele abraço que te dei, você não esqueceu, eu tenho toda a certeza do mundo que não esqueceu. Foi o abraço mais verdadeiro que dei em alguém. Todas as declarações de amor, todas as músicas românticas, todas as alegrias do mundo e todo meu amor estavam nele. Ainda há muitos detalhes guardados, como o papel de bala. Aquela que você me deu e com o papelzinho fiz um anel. Sim, eu ainda tenho ele guardado. Os lindos filhos que você me deu, a cachorrinha e o sapinho. O coração com seu cheiro, só não tem mais o seu perfume, mas ainda está inteiro.
Combinamos assim: os sentimentos na minha memória, as coisas materiais nas minhas gavetas e você em meu coração.
Uma das coisas que escrevi naquela cadernetinha que te dei foi... Eu preciso falar que te amo (sei que já falei por tantas vezes) mas não é e nunca foi da boca para fora.
Desculpa pelas vezes que te estressei, te irritei e por não ser a super garota que você merece. Obrigada por estar sempre ao meu lado, por me compreender e me amar acima de todos os defeitos.
Espero poder conhecer o "para sempre" ao seu lado, mas se não for vai ser aqui dentro de mim... Sempre tem uma primeira vez para tudo e para mim cada momento ao seu lado foi o primeiro da minha vida. Quando eu te beijei foi como se estivesse sendo meu primeiro beijo, coloquei toda a minha alma e meu coração e senti que nunca tinha beijado antes... cada olhar, cada abraço, cada sorriso é como se fosse o primeiro e único.
Nada do que eu faço hoje teria esse gostinho bom se eu não tivesse te conhecido. Até acordar em uma manhã de inverno é bom.
Dizem que nada é para sempre. Dane-se! Para mim o "para sempre" não é ficar junto de algo até a morte e sim; é a intensidade de cada sentimento e o valor de cada pessoa. O que ela pode mudar na sua vida!
O que eu mais desejo é poder ficar ao seu lado até o fim, mas se isso não acontecer eu vou dizer que foi para sempre, sim!
O nosso namoro terminou com um SMS meu dizendo que ele tinha acabado e dias depois com uma carta sua dizendo: Nesses 4 meses e 8 dias que ficamos juntos eu aprendi muitas coisas, tive sentimentos muito fortes. Eu realmente tinha me apaixonado por você! Em casa, na escola, na academia, em todo lugar que eu estava, que eu ia, o tempo todo eu pensava em você, tentava fazer de tudo para te agradar, te fazer feliz...
Você escreveu uma carta me julgando, dizendo mil e uma coisas que faziam sentido mas que não eram verdade. Você nunca esteve dentro de mim para saber o que eu senti, a confusão que me tomou. Como eu também nunca estive dentro de você para compartilhar da raiva e decepção que te causei.
Quando você disse que nunca te amei, que falei isso e mais mil coisas da boca pra fora, você não imagina como soou absurdo. Tudo bem, eu não fiz o certo, fui estúpida e egoísta, joguei tudo para o alto e nem me importei com o que você diria ou sentiria, mas enquanto estive com você, sempre e em todo momento fui sincera.
Te amei demais e foi de verdade. Fiz coisas que podem parecer bobas, mas que eu tinha muito medo de fazer, como mentir. Me apeguei a coisas, a pequenas coisas só pelo fato delas me lembrarem você.
Nosso namoro não durou nada praticamente, mas foi como em uma frase que escrevi nessa mesma cadernetinha: QUE SEJA ETERNA OU PROVISÓRIA, MAS QUE SEJA LINDA E LOUCA NOSSA HISTÓRIA! E foi! Eu sei que foi, como você também sabe.
Ela começou e como todas as coisas no mundo, teve um fim. Nada mais natural.
Nas últimas semanas do nosso namoro eu havia mudado muito, mas você também. Sempre tive e mantive meus olhos em você, mas foi como se você mesmo tivesse mudado a direção deles. Era como se eu mantivesse eles abertos olhando fixamente para você e mesmo quando você ia embora a imagem continuava, só que você sempre voltava logo então nunca havia tempo para a imagem de outra pessoa encobrir a sua. Até que um dia você foi e sua imagem continuou, mas você demorou demais para voltar, mais que o normal, e então ela foi se apagando lentamente. Até que eu pude enxergar todas as outras pessoas que passavam por mim...
Você abriu caminhos na minha mente e no meu coração para que elas pudessem circular. Eu pediria desculpa, mas por quê? Se você não foi capaz de enxergar a imensidão do meu amor por você, se você não foi sensível o suficiente para sentir que era sincero. Desculpa é apenas uma palavra e nem eu nem você precisamos de uma palavra. Eu não queria ser desculpada, eu queria ser compreendida. Queria que você entendesse que, como qualquer ser humano no mundo, eu me apaixonei por outra pessoa naquela época, todos nós estamos sujeitos a isso, não? Sem colocar a culpa em você, mas eu sei, eu sei que eu te amava com todas as minhas forças, e sei que só caí porque você me tirou o chão e não me deu asas, nao me deu nem uma corda para que eu pudesse me segurar. Eu fiquei a deriva, foi uma solidão medonha. Você sumiu! Nós nos distanciamos. Você entrou na faculdade e desapareceu das minhas tardes. Ficou tudo vazio e eu só queria algo para preencher esse vazio que você deixou na minha vida no momento em que a SUA vida se encheu de pessoas novas. Eu também mudei de colégio e conheci novas pessoas, mas eu sempre quis você, e quando quis outra pessoa foi porque eu me vi SEM você.
Mergulhamos em coisas novas e até então diferentes demais. Nos iludimos. EU ME ILUDI SIM, muito, mas você também. Nadamos para o fim, nos culpamos. Éramos jovens e errantes. Ainda somos, mas aprendemos.
Você ouve Avril e lembra de mim. Eu ouço Wonderwall e penso em você.
Não foi uma pena não termos ficado juntos. Talvez o para sempre seja isso. A ferida vai estar aí eternamente em cada um de nós. As lembranças de como as coisas eram novas para nós, também.
Então eu finalizo com outra coisa que escrevi: Você despertou em mim algo humano, e que mesmo sendo humano é perfeito, é o que vence a gravidade e te faz voar, faz crescer e alcançar as estrelas e mesmo no verão, faz você sentir aquele friozinho na barriga!
Thays Gomes

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Deu certo?

Nada na nossa vida tem a obrigação de dar certo, digo isso porque alguém sempre solta "Ai, tenho medo de dar errado...", e eu sempre acabo pensando: "Quem disse que tem que dar certo?" e isso vai de planos de viagem a relacionamentos. Nada tem a OBRIGAÇÃO de sair da maneira que sonhamos. O mais importante é acontecer, não é? Como aconteceu sempre acaba sendo mais um detalhe.
O que eu estou tentando dizer é: a espera de que as coisas aconteçam da maneira "certa" nada mais é do que uma preocupação desnecessária, um medo bobo, como aquele do homem do saco que a gente tem quando criança. Não sei se o que vou dizer tem alguma ligação com "destino" (talvez eu nem acredite nele), mas por mais que você planeje, por mais que você se empenhe para as coisas saírem do seu jeito, elas só vão sair se realmente tiverem que sair, entende? Tudo pode dar errado na última hora, tudo pode dar errado NA HORA!
A vida é irônica demais para esses medos que podem ser descartados. Há pessoas que planejam uma viagem a vida inteira e no dia de realizar o sonho o avião caí. Ou então, ganham na loteria e um dia depois são assassinadas. Um exemplo mais leve: às vezes te liberam para o cafézinho e na única chance que você tem de sair para fumar existe uma placa te proibindo disso.
Irônica, engraçada, filhadaputa, chamem do que quiser, mas a verdade é essa. Seus planos nem sempre dependem SÓ de você, a vida brinca com a gente sem dó. Então, por quê levar ela tão a sério? Por quê levar tão a sério essa vontade de realizar as coisas como você tanto quis, adiando planos porque algo não saiu como você pensou que sairia, isso nada mais é do que fugir da vida e isto a gente finge que faz, mas ninguém é capaz de fugir dela, certo?
Um conselho que eu posso dar (se conselho fosse bom se vendia, como dizem): Planeje sim, você tem todo o direito, sonhe acordado, dormindo, tanto faz. Deseje que as coisas saíam como você quer. Não há nada de mau nisso, nada de ruim. Só não adie a vida caso alguma coisa ou algum detalhe mude.
Quem sabe se em algum lugar deste universo imenso já estava marcado para ser assim? Algumas coisas podem não fazer sentido no momento, mas é só no momento. Às vezes algo dá muito errado e no fim, fica tudo certo. Acabamos enxergando que era necessário dar tudo errado para no final dar tudo certo, ser tudo lindo e ainda mais lindo do que sonhamos!
É como alguém escrevendo um texto enorme, cheio de erros ortográficos e de pontuação (assim como eu), mas que no último ponto final foi tão lindo, que a gente esquece dos erros e termina bem e feliz.
Thays Gomes

terça-feira, 28 de junho de 2011

O preço que se paga pra experimentar a sensação do fogo queimando sem perder as duas mãos

Eu quero ser simples e breve como aquela brisa de verão que passa rápido deixando a sensação de quero mais.
Não quero nascer nem morrer na sua vida. Quero apenas que você sinta que passei por ela e até fiz um certo estrago, mas não saiba responder para ninguém, inclusive para si mesmo, como aconteceu. Nem como eu vim... nem como eu fui embora.
Não quero ficar, eu quero marcar, apenas isto e mais nada. Não me peça para ir além. Quero deixar qualquer cicatriz minúscula, qualquer ralado no joelho pra arder na hora do banho, qualquer pequena coisa pra te fazer lembrar de mim. Um bilhete do lado esquerdo da cama dizendo "Adeus" ou um "Foi bom te conhecer!" escrito com batom no espelho do banheiro.
Mas sobre isso já aviso antecipadamente, só se ganha um bilhete meu, um adeus meu, depois que eu tiver ganhado tudo de você, arrebentado sua vida, estraçalhado seu coração. Esse é o preço que se paga pra experimentar a sensação do fogo queimando sem perder as duas mãos.
De qualquer maneira, no futuro iremos rir e respirar aliviados pensando em como foi lindo e valeu a pena.
Thays Gomes

quarta-feira, 22 de junho de 2011

É você, só você...

Aqui estou!
Inteiramente disposta a me desmontar inteira só para te fazer entender, pela última vez, aquilo que você não entende há anos...
Eu fiquei imóvel vários minutos com a mão sobre o teclado sentindo as lágrimas escorrerem lentamente, fazia muito tempo que eu não chorava assim e mais tempo ainda que eu não sentia isso, essa dor tão forte dentro da alma que só surge quando eu penso em você, essa vontade imensa de gritar socando meu peito, machucando minha garganta, me arranhando inteira por dentro. Fazia tanto, mas tanto tempo que eu não me entregava ao vazio de não ser aquilo o que eu mais desejo ser: Sua!
Hoje eu abri um maldito biscoito da sorte que dizia o seguinte: "Se os seus desejos não forem extravagantes, eles serão realizados.", a primeira coisa que eu pensei foi: "Querer ele não tem nada de extravagante!" e no entanto, eu nunca tive e continuo não tendo você, se ao menos você soubesse o quanto isso dói, se você imaginasse o que eu sou capaz de fazer por você, por um minuto com você...
Céu... inferno... eu vendo a minha alma, empresto, entrego, o que for preciso eu faço. Eu troco o paraíso, se ele realmente existir, por qualquer coisa, por nada! Eu abandono tudo. Corto o meu cabelo, até começo a rezar antes de dormir, por você eu topo tudo. Juro! Tudo!
Começo a acreditar no amor, espero pelo príncipe encantado, mas só se você for ele. Não precisa de cavalo branco nem de castelo, mas se você fizer questão eu construo um com a minha carne, invento dragões pra você matar. Você só precisa ser meu, nem que seja por um minuto, e isso não é pedir demais.
Por quê você me dói tanto?
Você machuca sem querer, mas machuca lá no fundo, me faz chorar, me faz tremer de dor, deixa meus músculos inteiros dolorido, ninguém nunca passou perto de me deixar assim. Já você, arrebenta comigo, me faz ter vontade de não existir, de desistir, de insistir...
Você... a única pessoa por quem eu daria a vida, por quem eu aceitaria morrer sem nem me importar como. A única pessoa que me faria acreditar em tudo o que hoje duvido. Amor, Deus, destino...
Thays Gomes

domingo, 19 de junho de 2011

I'm a realist!

Dia 19 de Junho de 2011, no caso hoje, 1 da manhã, enquanto eu estava tomando um delicioso Café Ciocolatta No Fran's Café, na companhia da minha mãe e seu namorado, em uma conversa totalmente aleatória ela solta um: A Thays não acredita em amor, nunca acreditou no amor, desde pequena. O livro preferido dela era João e Maria, nunca foi Cinderela, Branca de Neve, Bela Adormecida, Nunca!
Eu sei que não estava nem prestando atenção na conversa até essa parte, sorri e continuei me deliciando com aquela maravilha amarga e quente. Até que o namorado dela me interrompe questionando a minha descrença: É sério Thays? Eu só respondi com um "Aham", minha mãe logo continuou: Sempre tive um pouco de dó quando ela falava "Eu te amo" ao telefone, para os namoradinhos, mas eu não sei se era dó dela por ter que falar forçada, ou deles por acreditarem.
Acho que essas palavras soaram com um significado a mais para mim. Nunca pude imaginar que minha mãe reparasse nisso, mas acabei vendo que além de reparar ela enxerga além. Sempre percebeu que na minha vida o amor é uma coisa que não tem lugar, sempre notou minha descrença nele e sempre levou isso a sério. Porque ela sabe que quando eu digo que não acredito, é porque não acredito mesmo. E ela sabe antes de mim, até porque ela notou essa repulsa pelo amor desde antes de eu saber sobre o amor... Bom, acho que essas foram as frases do dia!
Thays Gomes

sábado, 18 de junho de 2011

Simples, bobo e de fácil entendimento

Falar de amor é tão fácil, você só precisa juntar um monte de palavras bonitas, de impacto e emocionantes com uma pitada de sonhos e duas colheres de sopa de idealizações.
Idealizar o amor é tão simples, os filmes, os livros, as novelas, tudo está aí o tempo nos ajudando a fazer isto. Filosofar sobre o amor é tão bobo, você só precisa de uma mesa, uma cerveja e alguns amigos numa sexta-feira a noite.
Difícil mesmo é viver um amor. Complicado é você tornar real tudo aquilo que um dia você imaginou ser o amor. Impossível é chegar a uma conclusão sobre ele.
Segurar a mão de alguém é simples demais, sorrirem juntos é bobo demais, transar, beijar na boca é fácil demais. Difícil mesmo é entregar a alma, complicado é entender o que se passa dentro do outro, impossível é ter um relacionamento isento de crises.
Thays Gomes

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Deixa rolar...


Deixa rolar! Deixa pintar! Ainda é outono e na primavera é que as coisas vão começar a desabrochar. O que tiver que vir vai vir e vai ser lindo. As flores, as pessoas, as oportunidades... Coisas novas vão surgir, é sério!
Coloca o seu casaco vermelho e vem. O frio deve ser só aqui fora e não dentro de você. Quero te ver sendo verão todos os dias do ano, em todas as estações. Quero aquele calor de 40º e todo o colorido da época em seu olhar, com muita pouca roupa e nenhuma tristeza.
Seu visual Rock, menina, logo vai mudar, os olhos que agora estão pintados de preto, laranjas vão ficar. Você vai tirar esse jeans colado e vestir seu vestido florido rodado, com lábios brilhantes e rosas vai sorrir pra mim.
Thays Gomes

terça-feira, 7 de junho de 2011

Coisas suas...

Hey boy!

Você tem 10 coisas que eu gosto. Eu poderia listar cada uma delas, detalhar, escrever com letra de mão, de forma, em maiúsculo ou minúsculo, desenhar e pintar também... o que você quisesse. O problema é que; depois de listar a terceira, você saberia que estou falando de você e eu não quero  isso. Se bem que agora, enquanto você lê, deve estar nascendo um ponto de interrogação nessa sua cabecinha. Acertei? Eu sei que acertei! Por isso vou listar só uma. Por quê só uma? Porque não vai ser o suficiente. Você vai poder se questinar se estou falando de você ou de qualquer outra pessoa na face da terra, e olha que não são poucas, e não vai poder se "achar" ou ficar com raiva, afinal, quem garante que estou falando de você, não é mesmo? Lá vai...
• Eu de como você me faz sorrir, me fazendo acreditar, sem querer, que eu posso começar de novo, que coisas novas e boas estão por vir...
Hey, tira esse ponto de interrogação da sua cabeça! É lógico que eu falo de você. Como você pode ter certeza? Bom, se eu responder você vai saber que estou falando de você. Seria muita certeza e eu não quero isso também!
Thays Gomes

segunda-feira, 6 de junho de 2011

A gente aprende

A gente aprende, né? Engraçado como a gente aprende. Lembro que antigamente eu fazia longos discursos tentando fazer você entender todas aquelas montanhas de sentimentos que eu tinha por você. Eu sei, é claro que eu sei, hoje eu aprendi, aprendi que você nunca entendeu minhas metáforas e sempre se perdeu nas minhas declarações de amor exageradas, se perdia no meio da segunda linha. Você jamais soube compreender o que eu sentia.
Hoje, só hoje eu vejo o quanto errei com você. 99% do que eu disse poderia ter sido calado, no máximo deveria ter dito: "Eu gostava de você", GOSTAVA, deveria ter usado o verbo no passado, mas não, era sempre presente, presente, presente, era sempre amar, amar, amar, "EU AINDA AMO VOCÊ! Depois de tanto tempo, depois de todos os erros, depois de todo o tempo perdido, depois de todas as lembranças perdidas..." Era assim que eu dizia, eram essas as palavras que eu usava para te assustar, mas hoje não mais!
Hoje não perco meu tempo com nada disso, não faço mais longos discursos, não exagero, eu nem me expresso mais, conclusão, eu não sou mais eu para você. Não espero nada de você, nenhum oi, nenhum gesto, nenhuma atitude, e é incrível como nem um ato estúpido seu me surpreende. Pensando bem é triste tudo isso, é triste esperar só coisas tristes de alguém por quem você tinha o maior amor do mundo. É imensamente triste acordar pela manhã com a sensação de que vai dar errado a noite. É triste, mas é totalmente superável.
Porque a gente aprende, né? Querendo ou não a gente aprende. E eu aprendi!
Thays Gomes

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Acende que passa...

- Hey! Qual é o seu problema? O quê te assusta tanto? Aquilo que lhe falaram sobre o amor ou o bixo papão em baixo da cama?... - Às vezes quando apagam as luzes sinto o mesmo medo.
- Do bixo papão ou do amor?
- Dos dois... mais medo do amor talvez.
- Por quê?
- O medo do bixo papão desaparece quando acendem as luzes, mas o medo do amor... - Daí lembro de quando minha mãe dizia "Bixo papão não existe!". Talvez o amor seja como o bixo papão; não exista também.
- Ou talvez os dois existam, mas esperam as luzes se apagarem pra pegar você!
- Pode ser também, de qualquer maneira, se for verdade, uma hora você vai trombar com eles, certo? E talvez veja que o bixo papão é só um ursinho de pelúcia gigante que vai te fazer cócegas e o amor... -Ah, deixar as luzes acesas, perder noites em claro de vigia não vai adiantar nada. Deixa acontecer, eles aparecem na hora certa!
Thays Gomes

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Meu bem, que seja doce!

Fico pensando, e se não fosse Maio de 2011? E se fosse Julho de 1984? E se não fosse o Brasil? Se fosse uma viagem à Paris? E se você não estivesse sentado num banco do Quai de Bourbon, de costas para o Sena, fumando um cigarro e lendo uma placa numa fachada estragada onde dizia: “II y a toujours quelque choe d’abient qui me tourmente”? E se estivesse tomando um café comigo?
Penso sempre, o quê teria sido se eu tivesse te conhecido? Como teria sido? O quê você diria? Ou não diria nada?
Acredito que em outro tempo, poderia cruzar com você por qualquer rua e nem notaria sua presença, como também, poderia ter te conhecido; mas não sentiria sua ausência, não entenderia sua loucura nem seu amor. Mas se hoje, meu presente e quem você foi no passado, se encontrassem sem mudança alguma nem em mim nem em você, imagino que tudo seria claro e limpo, que nosso entendimento seria completo.
Te conhecendo como eu penso que conheço hoje, no mínimo me apaixonaria. Vejo em você a loucura que enchergo em mim, todo o desespero, o sonho, a ilusão, o drama, o exagero, a fome, o desejo...
Penso que as nossas conversas seriam de fácil entendimento e as mudanças drásticas de humor também. Seríamos capazes de olhar o mesmo horizonte e inclusive além dele. Acordaria às 6 da manhã para te levar à praia, mas antes, claro, abriria todas as janelas da casa para o Sol iluminar sua cara amassada do sono e então, diria baixinho no seu ouvido: Bom dia meu amor, que o seu dia seja doce, que o nosso dia seja doce! Claro, tudo isso se você se apaixonasse por mim também.
Jornalista, escritor, intenso, único... Alguém vai dizer: Mas todas as pessoas são seres únicos! Não, existem muitas pessoas por aí que são iguais as outras pessoas que estão por aí também. Mas você meu bem, qual outra pessoa diria que para escrever você tem que tirar sangue com as unhas, cavar fundo...? Só você. O meu exemplar único de doçura, extremismo e tristeza. Tristeza porque infelizmente fomos separados por anos e anos, por décadas, por modas, tendências e afins.
Eu sou louca por você, eu sou viciada em você. Quando leio as coisas que você escreveu, que você deixou para sei lá quem, quando leio sobre a sua vida, sobre cada picuinha, penso: Hey, não sei aonde você está agora, mas... tá me ouvindo? E continuo: Poxa, por quê não te conheci? Queria poder te abraçar agora, mecher no seu cabelo, sentir seu cheiro, olhar por um longe tempo o fundo dos seus olhos e falar "Merda! Eu sou tão obcecada por você!"...
Thays Gomes para alguém extremamente especial que jamais conheci, mas amo, amo, amo loucamente e desejo vezenquando presente aqui, mesmo que esse desejo seja loucura, afinal, o tempo podemos atravessar, mas a morte... Um dia talvez, mas hoje não.

Para Caio Fernando Abreu...

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Impossível não gostar de você

Eles estavam sentados um do lado do outro, mas ninguém dizia uma só palavra. Ela brincava de mal-me-quer com uma margarida e ele ficava fazendo desenhos na terra com um graveto. Até que depois de muito tempo naquele silêncio constrangedor ele perguntou:
- Por quê você escreve?
- Hã?
- Por quê você escreve?
- Hmmm... Ela não sabia direito o que responder, mas sabia que se quisesse fazê-lo entender acabaria falando demais e o confundiria o dobro, então resolveu apenas ser sincera e rápida: - Porque sou covarde.
- Como assim?
- Já respondi sua pergunta, não? Querer que eu explique já é demais!
- Não, agora quero saber. O quê tem a vê escrever por ser covarde?
- Você nunca leu algo que eu tenha escrito?
- Sim, claro!
- Então deve ter percebido que sempre é para alguém.
- É... Mas essas pessoas existem mesmo?
Ela sorriu continuando: - Sim!
- Uau!
- Que foi?
- Ainda não entendi o porque do 'covarde'
Ela soltou um suspiro.
- Escrevo por não ter coragem de dizer diretamente à pessoa.
- Faz todo sentido.
- Sempre faz... Ela arrancou outra flor, pensou na pessoa que mais gostava e começou o bem-me-quer-mal-me-quer
- Sabe o quê mais me dá raiva? Ela arrebentou o silêncio num tom de ódio e mágoa
- O quê?
- Eu escrevo para ele como quem arranca o coração com as próprias mãos, mas ele... Uma lágrima queria cair de seus olhos, mas ela fazia força para fazê-la voltar.
- Mas ele...?
- Ele não lê, não me nota, nada. Eu não tenho nada dele!
- Você diz isso porque chegou na última pétala e não quer arrancá-la porque já sabe a resposta?
- Sim!
Ele tirou a flor de sua mão, puxando a última pétala. - Prontinho! Não ligue para nada disso, ele não tem motivos para não gostar de você. Quem pode ser capaz de odiar uma menina que ainda brinca de mal-me-quer?
Ela sorriu de um jeito tão doce que foi impossível aquela lágrima não desaparecer. Então ele continuou: - Ele lê! Eu sei que ele lê! Não posso garantir que sabe que é para ele, mas ele lê e torce para ser a pessoa que você tanto escreve...
Thays Gomes

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Candy

Entenda, eu não quero saber quanto você ganha, quero saber se gosta do que faz, se faz de coração, por prazer. Não me interessa aquilo que você tem, mas talvez eu pergunte o que você perdeu tentando conseguir o que tem hoje. Seu carro, sua casa, não ligo pra nada disso, desde que você consiga ir me ver e que tenhamos qualquer cantinho pra ficar.
Por mim você pode não ter aonde cair morto, entende? Qualquer coisa material que possa me dar vou recusar, porque não é isso que eu quero, nem de você nem de ninguém e ainda que você seja lindo, saiba: nenhum corpo ou rosto perfeito vão me interessar se no final das contas você for estragado por dentro. Sabe o que vai manter meus olhos em você e apenas em você? A forma como me tratar. Porque eu sou dessas pessoas aparentemente estúpidas e indiferentes, mas é só uma carapaça dura que você tem que quebrar, canceriana né, sou um carangueijinho, e você sabe o que há dentro deles... Eu finjo que não ligo, que supero, que suporto, mas não é nada disso. O meu problema se chama "charme" ou orgulho, enfim, chame do que quiser, mas saiba, eu sou viciadinha em carinhos, amo demais abraços demorados e apertados, beijinhos pelo corpo inteiro, carinho na barriga e mordidinhas principalmente no pescoço e na perna. Adoro também que fiquem me cheirando, sabe? Aquelas famosas fungadas no cangote, mas também adoro quando a pessoas passa o rosto inteiro nos meus cabelos, bagunçando, cheirando, brincando com eles.
Ai ai... Simples assim! Porque EU sou simples. Se eu ver você com uma camiseta azul eu não vou perguntar qual a marca, eu vou perguntar se azul é sua cor preferida. Eu nunca vou querer saber se o restaurante aonde você vai me levar é o mais caro ou se é "chic", eu vou querer saber se lá tem a sua comida favorita. Mas se você quiser me levar pra comer um lanche de barraquinha cheio de bacon, com ovo frito e tudo mais, ahhh, daí eu vou ter que confessar que é a minha preferência!
Eu sou bem do tipo que quando vê um carro antigo fica louca, sou capaz de reparar em um fusca a metros de distância, mas não se surpreenda se um volvo prata e brilhante não me chamar nenhuma atenção. Não sei porque, talvez eu enchergue o fusca como um carrinho cheio de histórias pra contar e coisas que levem ao passado, gosto disso, já um volvo é só um carro moderno insignificante como todos os outros.
A verdade é: coisas simples e bonitas na sua simplicidade, carinhos e afeto em excesso me fazem derreter, me entregar, porque sou louca mesmo por tudo isso e não nego.
E tem mais, nunca me presenteie com buquês, acho tão triste saber que aquelas flores lindas foram podadas por uma razão tão pequena, mas se realmente fizer questão em me dar algo, pode ser um vasinho, assim eu não vou ter a infelicidade de vê-las murcharem. Você também pode rasgar um pedaço de papel e escrever alguma coisa bonitinha, confesso que é a forma mais rápida e fácil de chegar ao meu coração.
Sempre que quiser me ver com um sorriso enorme, me faça uma surpresa, qualquer coisa do tipo; tape meus olhos e me leve a um lugar que você goste muito, depois fique me dizendo o que aquele lugar significa pra você, porque gosta dele e por favor, fique abraçado comigo enquanto me conta todas as coisas que te fazem bem. Qualquer coisa que você faça na intenção de me alegrar, VAI ME ALEGRAR!
Não precisa me oferecer as estrelas, nem forjar uma chuva de pétalas de rosa. Experimente me jogar na cama e ficar brincando de passar o dedo nos traços do meu rosto, depois ficar um bom tempo olhando nos meus olhos. Cara, quer coisa mais intensa, mais perfeita do que isso? Você só precisa de uma cama, não da ajuda da NASA, nem de milhões de rosas...
Eu não sou o tipo de mulher que você vai chamar de interesseira ou complicada. Muito pelo contrário, eu vou ser simples e fácil. Eu não vou ser a escrava, nem vou escravizar ninguém. Você só precisa ser claro, calmo, doce e presente. Você só precisa ser o MEU presente e nem vou querer papel brilhante ou um laço enorme, só o seu sorriso e o seu abraço quente. São o suficiente, eu juro que são!
Thays Gomes

sábado, 14 de maio de 2011

Conversa entre travesseiros

- Você viu o que aconteceu ontem?
- Não, eles me derrubaram da cama e nem preceberam
- Verdade!
- Acabei dormindo embaixo da cama. Mas, o quê aconteceu?
- Deixa eu te contar, você não vai acreditar!
- Lá vem
-Engraçadinho! Mas então, ontem ela chegou com um CD
- E daí?
- Um CD com músicas...
- Ah vá!
- ...com músicas românticas, palhaço! Na verdade não eram românticas, ou melhor; eram românticas mas sei lá, eram sensuais também, enfim, músicas boas para a noite de ontem, você sabe!
- Ahhh, isso eu vi né, a hora que eles me derrubaram foi bem na primeira música, qual era mesmo?
Run do Snow Patrol
- Exato! Tocaram muitas?
- Nossa, muuuuuitas!
- Quer dizer que a noite foi tão boa assim?
- Demais!
- Não acredito que perdi! Mas me diz, quais outras músicas ela colocou?
- Bom o CD ficou tocando, foram várias, não sei se vou lembrar de todas, mas logo depois da primeira começou a tocar Chasing Cars do Snow Patrol também
- Será que você não tá fazendo confusão e o CD era da banda?
- Nãooo! Tocou outras bandas também. Teve Sex On Fire do Kings Of Leon
- Caralh...
- É...
- Eu não acredito que eu perdi! Mas continua, e as outras músicas?
- Bom, não vou saber a ordem, mas tocou também a nova do Maroon 5, Never Gonna Leave This Bed e Scar Tissue do Red Hot Chili Peppers
- Nada de tango, ou aquela da pantera cor de rosa?
- Olha bem pra cara dela, essas músicas antigas de stripe não fazem o tipo dela
- (risos) É!
- Então, teve também aquela do Red Hot Chili Peppers que ela geralmente ouve quando chega da faculdade, não consigo lembrar o nome
- By The Way?
- ISSO!
- É boa também!
- É! Oasis! Começou a tocar Oasis, Don't Look Back In Anger, essa parte foi tão lindinha
- (risos) Eu ainda não acredito que perdi!
- Perdeu! Olha, lembro também de ter tocado Vermillion pt 2 do Slipknot e logo depois Crazy do Aerosmith
- Crazy??? Nada mais erótico do que Crazy! Já assistiu o clip?
- (risos) Já! Nem me fale, Steven Tyler gostosão!
- Cala a boca e continua me contando
- Tocou Muse, Time is Running Out!!!
- Você só pode tá brincando!
- NÃO!
- Ela é maluca?
- Bem maluca!
- Qual foi a reação dele quando começou a tocar essa música?
- Não sei, de repente não vi mais nada, provavelmente eles já estavam na mesa!
- O QUÊ?????
- Você sabe né, essa música é psicodélica demais, o corpo obedece as estranhezas do momento!
- EU PERDI!
- Tocou também Linger, a famosa música apaixonadinha daquela banda lá...
- The Cranberries!
- É!
- E no final eles dormiram ouvindo Again do Bruno Mars
- Desde quando ela gosta de Bruno Mars?
- Não sei, talvez desde ontem, quem sabe...
- Ela é maluca mesmo!
- Ele também deve achar
- Como você sabe?
- Pela forma como ele sorriu enquanto ela dormia
- Teve isso também?
- Sim!
- E qual música que era?
- A que ele tinha no celular: One do U2
- Que gay!
- Também achei!
- Mas como era o sorriso dele?
- Não sei, só sei que olhou pra ela enquanto ela dormia e sorriu, parecia estar pensando: Garotas malucas como ela não são fáceis de encontrar, mas eu encontrei!
- (risos) Ele também é maluco!
- Pra querer ela? Com certeza!
Thays Gomes

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Sem título, sem drama e sem frescura!

Eu não sei o que você pensa sobre mim, qual a visão que poucos dias puderam formar. Eu também não te conheço tempo suficiente para ter algo pra pensar sobre você, mas... se você puder, apague qualquer impressão que possa ter se formado precipitadamente...



Os dias então sendo difíceis e uma pessoa com quem eu possa me encantar é a última coisa que quero agora, mas eu mentiria se dissesse que não gostei de você, que por um momento não me peguei pensando em coisas boas e bobas com ligação direta à você. O seu jeito de falar, a sua voz, as coisas que você gosta, o ponto de interrogação que é capaz de deixar plantado na minha cabeça, a forma como às vezes você me chama e eu questiono do porque tá me chamando daquilo, a sua visão de mundo... só detalhes, eu sei; coisas bobas, mas eu sou boba, faz parte me encantar com isso.
Não, eu não deveria estar escrevendo sobre você, na verdade, não deveria estar fazendo metade das coisas que tenho feito, mas a desculpa para isto é: é mais forte do que eu, não ligo de quebrar a cara ou de piorar ainda mais as coisas que estão, diga-se de passagem, péssimas. Na verdade, estou apostando todas as minhas fichas em você. Relaxa, eu tô pronta pra perder boy, e não, isso não é nenhum tipo de pressão, é só: "Fazer isso, dando certou ou não, vai me trazer devolta para quem eu costumava ser!" ou se você preferir: "Sou idiota o suficiente e se eu tomar no cu, não vou te culpar por nada, só quero voltar a ser como antes."
Como antes... não tô com saudade das coisas que vivi, entende? tô com saudade de quem eu costumava ser. Eu era mar agitado, tempestade, eu era do tipo de pessoa que dá a alma, que abraça a causa, que luta sem desistir e era incrível como eu sempre, sempre conseguia tudo o que eu queria.
Não tinha medo daquilo que parecia impossível, sabe, eu dava a cara a tapa, "dane-se se não der", "dane-se ele", "dane-se tudo", "dane-se se você acha impossível", "EU QUERO!", e a partir do momento que eu queria algo, ahhh, não tinha nada no mundo que me segurasse, que me freiasse, eu me doava tanto, eu me doía inteira, mas eu florescia quase todos os dias de um jeito tão lindo, eu era uma fonte inesgotável de alegria e amor, mas agora... Agora eu tenho um pequeno nojo desse ser humano perdido em que me tornei.
O que empobreceu a minha alma foi ter estado ao lado de uma pessoa vazia tanto tempo. Eu tinha tantos sonhos, planos, desejos, tantas fantasias, mas me sugaram tudo, me fizeram abrir mão de muita coisa bonita, e sabe qual era a causa que eu pensei estar abraçando? Amor! Amor o caralho! Fui ver depois de muito tempo perdido que amor não anula nem destrói. Amor revigora, melhora aquilo de bom que já existe em você. Eu idiota, caí feito um patinho CEGO no discurso patético de 3 palavras (vocês sabem quais). O quê sentiam por mim? Vaidade, eu fui um troféu na mão de alguém que não tinha nada pra mostrar ao mundo. Por esse maldito discurso, pronunciado como se a pessoa estivesse falando a palavra "MERDA" eu me doei inteira, pra felicidade de quem não sabia ver alegria em NADA.
Isso me esvaziou tanto, mas é nesses dias difíceis que eu tô tentado achar aquela pessoa de antes. Tá fácil, eu tô quase conseguindo.
E essa vontade de ser melhor, de ser a velha Thays, mas de uma forma nova, mais leve e mais limpa surgiu no momento em que você surgiu! Mas por mais que você seja algo bom, você também é uma coisa ruim!
Eu não te conheço, não sei do que você é capaz, nem qual é a sua, a única coisa que eu sei sobre você é que: você abala as estruturas fortes em mim, e eu não sei como você consegue... E é por isso que eu respiro fundo, olho no espelho e repito lentamente que não é assim, as coisas não funcionam desse jeito e que essa euforia louca vai passar. Só preciso superar a vontade de falar com você, de te ver, superar a vontade de pensar em você. Só! (o difícil de querer alguém é que você não supera, não controla. É uma vontade irracional) mas eu sou forte! Você sabe, eu sou forte!
O problema maior é que você, além de tudo, me faz ter vontade de ser feliz. Absurdo, porque quando a pessoa te faz bem assim, mesmo sem ter noção, você começa a gostar né, e a última coisa que eu quero é gostar de você. Seria muita maluquice.
Por enquanto, essa fase de superação tá sendo o suficiente, tô segurando a barra, tô deixando as coisas acontecerem, e se for pra ser, vai ser né? (Por favor Deus, faz ser!!!)
Quero as coisas novas que a vida pode me trazer, as pessoas bonitas, cheias de vida, cheias de histórias, com sorrisos lindos que me façam perder o chão e com um jeito doce que me façam apaixonar. Tô querendo tudo isso com muita fé e esperanças novinhas que eu devo ter encontrado em alguma gaveta esquecida. Eu nunca me senti tão inteira, tão preparada pra fazer alguém feliz, pra SER feliz, porque eu simplesmente me desfiz de toda a dor, de todas as nuvens cinzas que ficavam pairando sobre a minha cabeça. Tô clara, tô serena, tô com coragem suficiente pra mergulhar no incerto, no que o destino me entregar, e tô com as mãos limpinhas pra não estragar o novo e deixar ele COMO novo eternamente.
Agora eu digo, com o brilho nos olhos igual a de um punhado de purpurina: Que venham as coisas e pessoas boas, porque quem cair na minha mão vai ser feliz de verdade!

Mas só pra reforçar. Você/Ele tem uma coisa que eu gosto...
Thays Gomes

segunda-feira, 11 de abril de 2011

De tão nua e crua ela ficou engraçada...

Desisti de lutar por ideais estúpidos. Ok, devo estar exagerando, vamos mudar o 'ideias" por... hm... desejos? vontades? OBJETIVOS?! Ahhh, acho que objetivos é o mais próximo do que estou tentando dizer, mas enfim.
Desisti de lutar por objetivos estúpidos, que objetivos são esses? Não vem ao caso, mas pense, aquilo que faz você suar, perder tempo, quebrar a cabeça pensando em planos, não vale a pena, simples assim, se uma coisa é difícil demais o minímo que você pode fazer é desistir, esquecer dela.
Ahhh, nem venham me chamar de revoltada, sei bem que vocês estão cansados de me ouvir dizer "aquilo que não faz você suar, desatinar e blá blá blá não merece fazer parte da sua biografia" sinto dizer, mas eu estava errada e aí vai a verdade nua e crua: é exatamente isso que NÃO vai fazer parte da sua biografia, as coisas difíceis, complicadas, que te fazem suar, desatinar e blá blá blá, pode esquecer. Aquele cara lindo, alto, sarado, interessante, rico e hétero, pode esquecer também, ele é jovem e tem muita saúde e dinheiro pra gastar, além de que, tá chovendo mulher na horta dele e é aquelas chuvas de verão, sabe? enchentes de mulheres lindas e cheias de amor pra dar e mais alguma coisinha.
Nem venham me chamar de pessimista e derivados, vocês sabem melhor do que eu; quando deixamos pra lá é que as coisas dão certo, o que tem que se ajeitar, se ajeita, quem tem que voltar, volta, e por aí vai.
A verdade é que não falo isso só para relacionamentos, mas é que são bons exemplos, contos de fada, finais felizes, coisas totalmente last week, infelizmente. O princípe encantado no cavalo branco? (se você está lendo meu blog quer dizer que tem mais de 12 anos, pelo menos posso jogar a real sem que você tenha um ataque) Vão te mandar somente o cavalo! Esqueça o princípe meu bem.
O negócio é, chega de otimismo, de "as palavras tem poder", o "pensamento tem poder", a minha avó também tem poder, ela prevê o futuro, sempre quando engato um namoro ela diz: "Menina, esse cara é assim, assim e assim, não vai dá certo." dito e feito, o cara faz tudo aquilo que ela falou e mais um pouco. Então anota aí na sua agendinha cor de rosa, poder até a minha avó tem, não é sua palavra, seu pensamento ou a sua simpatia que vai facilitar as coisas, nesse mundo é tudo loucura, ilusão, o cara lindo não vai ser seu, o conto de fada também não e no final você vai acabar com o cavalo... Espero que isso tenha ajudado o dia de vocês a ser mais colorido! Beijos!
Thays Gomes

quinta-feira, 31 de março de 2011

Hey prefeito!

Hey prefeito, qual é a próxima balada? Não posso te fazer outro tipo de pergunta já que você é incapaz de responder coisas mais interessantes como: e a saúde? Não a sua saúde, para alguém que está sempre sassaricando pelo shopping, ela com certeza está ótima, mas sim, a saúde da população, que diga-se de passagem passou de péssima para C A O S !
Hey prefeito, cansamos de pedir providências, pedir que melhorassem os asfaltos, tapassem os buracos e nada foi feito, eles continuam lá, e você? Ah, você nem o rabinho sacudiu, por sua grande falta de experiência nossos carros estão todos fudidos, e pelo o que estamos vendo, sua grande falta de experiência vai arrasar nossas famílias, alguém precisa te lembrar, prefeito, que você não está mais lidando com carros e asfaltos, agora são vidas.
Hey prefeito, fiquei sabendo que são 12 unidades móveis fora de circulação por problemas mecânicos, viu só? pedimos para que melhorasse o asfalto. Até o SAMU foi prejudicado, agora se neguinho bobear e cair no buraco, aproveita e joga terra em cima porque se depender do pronto atendimento...
Hey prefeito, porque você insiste em pagar de ambientalista? O Rio Bauru continua lá, sem nenhum tipo de tratamento, e rede de esgoto? deve ser coisa de outro planeta né porque isso a gente nem viu.
Hey prefeito, acorda pra realidade, corta um pouco das plantas que existem em volta da sua casa pra ver se você começa a enxergar a vida lá fora, vida de pessoas honestas, humildes e trabalhadoras, com famílias e filhos para sustentar, vida de pessoas como você, como da sua mãe e da sua avó. Sai um pouco do shopping, da Dolce e vá fazer um tour pela cidade que você propoz cuidar. Sabe prefeito, os buracos no asfalto, amanhã ou depois seu mandato acaba, outro candidato vem e os tapa, mas e as vidas que estão sendo perdidas por falta de decisões SUAS? Quem vai devolver? Quem vai tapar a saudade, o buraco da dor?
Qualé neguinho, acreditamos em você a única coisa que você fez foi plantar árvores. Árvores são coisas boas, importantes, mas não matam a fome, não tiram a dor de uma pessoa que precisa de atendimento médico na imensa fila do posto central, não livram a cidade da dengue, não tapam buracos, não limpam o Rio Bauru, não tratam o esgoto... não é de árvores que precisamos agora e sim, uma melhoria no BÁSICO! Isso é demais pra você?
Thays Gomes

sábado, 26 de março de 2011

Ela é só uma menina

Ela é só uma menina de perfume muito doce e de sorriso nos olhos.
Ela é só uma menina de olhos escuros, profundos e maldosos. Olhos que refletem dor e ódio.
Ela é só uma menina tímida, mas timidez não tem nada a ver com ela.
Ela é só uma menina que anda por aí de cabeça baixa.
Sabe, sempre ouvi dizer que você não pode confiar em pessoas que andam de cabeça baixa, geralmente elas estão prestando muita atenção aonde pisam, pois não admitem tropeços ou deslizes, prestam tanta atenção no chão pois em sua cabeça estão tramando mil coisas, pensando em milhares de situações, planos... eu não gosto nem de imaginar no que elas pensam...
Ela é só uma menina, e você não pode culpar uma menina por suas lágrimas, ela te faz sangrar, gritar, e a culpa é toda sua. 
Ouvi dizer que ela tem o mal correndo pelas veias, e toda esse doçura é uma armadilha para depois girar a faca dentro de você.
Ela é só uma menina inocente, e sua inocência chega a ser maligna, aquele sorriso que ela carrega nos lábios é o trofél por tantos corações que já quebrou...
Thays Gomes

quinta-feira, 24 de março de 2011

Coffee Coffe

Eu só tomo café. Nada de chá. Café forte, sem açúcar e sem ser misturado ao leite. Faço questão de apreciar o verdadeiro sabor das coisas. Adoro isso, sentir o verdadeiro gosto que algo possui, até mesmo quando esse gosto é o amargo forte do café e logo em seguida sentir como pode ser doce a saliva...
Thays Gomes

sábado, 19 de março de 2011

A realidade em primeira mão para você

“Não tem nada passando na televisão”, chego a esta conclusão toda vez que estou em frente a uma, às vezes me pergunto se essa frase não seria um convite para rever nossos conceitos, afinal, somos cidadãos vivendo em uma sociedade em que bunda vende, e vendo muito.
Mas quem é o culpado disso? Os grandes empresários dispostos a tudo para lucrar, ou os telespectadores que preferem dar audiência a programas com quase nenhum conteúdo do que a outros que dão maior destaque à educação e cultura? Engraçado como a resposta está escancarada na própria pergunta. A TV brasileira é apenas um reflexo do povo.
O que vamos exigir dela? Não exigimos nem o básico de nossos governantes. Temos aqui uma taxa de criminalidade absurda, e a culpam por ser sensacionalista. A saúde é vergonhosa, a educação; cheia de falhas, e ainda fechamos os olhos para que os políticos roubem descaradamente, para logo mais abri-los diante dela e ficarmos boquiabertos com a falta de novidade.
Pagamos impostos altíssimos para nos acomodar e assistir notícias sobre pessoas morrendo em leitos de hospitais pela falta de médicos, isso quando não ouvimos palavras de baixo calão nas novelas.
A televisão brasileira entristece e entedia, porque quando informa traz uma realidade cruel e quando entretem rebaixa a mulher e zomba daquilo que deveria preocupar a sociedade. Então, o que resta ao povo brasileiro é não exigir dela aquilo que ele é incapaz de ser!
Thays Gomes

sábado, 5 de março de 2011

Poderíamos casar, mas nada de igreja, vestido branco e essas coisas, uma cerimônia simples e significativa, teríamos uma kitineti, tomaríamos café as cinco da tarde, discordaríamos quanto a cor dos tapetes e a posição dos móveis, não arrumaríamos a cama diariamente, o armário e a geladeira seriam repletos de doces, bolachas recheadas, congelados e coca-cola, adiaríamos o despertador umas trinta vezes, sentaríamos na sala de pijama e pantufas, sairíamos de moto pra comprar Mc Donald's em dia de chuva e chegaríamos encharcados, nossos filhos seriam um papagaio e uma tartaruga, nos beijaríamos no meio de alguma frase, você pegaria no sono com a mão no meu rosto e eu, escutando sua respiração. Eu riria sem motivo e você perguntaria porque, eu não responderia, saberíamos.
Thays Gomes

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Por quê não?

Talvez paraíso seja algo bem mais simples e até mais significativo... olha que paraíso mais lindo, sente só o sentimento que existe nisso, e me diz, qual dos paraísos é mais divino?

Eu vou sentar na calçada num dia de sol e esperar por ela. Ainda que chova, mesmo que flocos de neve dancem pelo ar, não vou pensar em me levantar. E se o vento for forte demais, e eu sei que ele é, posso pensar em deixá-lo bagunçar meu cabelo, mas nunca me passará pela cabeça a ideia de desistir. Por nada. Eu apenas a esperarei. Sou cabeça dura o bastante para tudo isso.
Agora, me sobrou muito tempo para recordar minha vida, para recordar cada dia, cada dia de vazio, cada dia de transtorno que causei a mim mesmo e até os dias alegres, mas é aquilo, os dias alegres a gente deixa para recordar depois, primeiro preciso me emputecer com as faltas graves e os erros imperdoáveis que cometi, talvez eu deixe os dias alegres para recordar ao seu lado, ou vivê-los com ela... eu já não sei. Eu tô tão perdido.
Fecho meus olhos, aperto eles com todas as minhas forças como se quisesse lembrar de algo que a muito tempo esqueci, e então eu me lembro daquela menina, seus traços surgem turvos, borrados em minha mente alagada de pensamentos estúpidos, mas eu sei que é ela, sabe quando a gente sente?
Seu sorriso, um rabisco branco em meio a escuridão dos meus olhos fechados, ele era bem largo e o medo? Esse era estreito. Lembrar de seu rosto, seus gestos, sua risada alta e desafinada, o modo como ela encarava a vida me dá uma certa paz, reforça as raízes que quero criar aqui enquanto ela não chega.
Abro os olhos e volto a realidade, esta é um lixo, um erro, uma idiotice, como é terrível estar aqui, mas é suportável porque ela é a razão de eu estar aqui, entende?
Não sei nem se ela voltará a pisar nesta calçada novamente, se passará alegre, cantarolando como fazia no passado, mas se eu sair por este mundo afora, então eu posso me perder ainda mais e acabar caído em alguma calçada que ela nunca passou e nunca passará. Antes aqui, lugar onde seus pés já pisaram, do que alguma desconhecida.
Você já esteve no paraíso? Você por favor poderia me descrever como é lá? Você ao menos consegue imaginar? Me conte algo bonito, pode até ser clichê, uma história com final feliz, qualquer coisa. Preciso ouvir algo que me faça sentir melhor. Eu imaginei o paraíso. Imaginei que possa ser um jardim imenso, com aquela graminha verde e fofa, cheio de flores, principalmente margaridas, era as preferidas dela, e os dias lá eram ensolarados, aquele sol das 8 da manhã ou das 5 da tarde, e as noites, todas com a lua cheia e céu estrelado, mas com algumas nuvens, aquelas misteriosas que ficam envolta da lua, sabe? Um lugar cheio de árvores enormes, com sombras imensas, e o cheiro de lá, hortelã, menta, eucalipto, dama da noite, inexplicável, o cheiro de todas as frutas, flores e árvores possíveis, e claro, muitas amoreiras, ela amava amoras, sim, esse é o paraíso que imaginei, muitos pássaros cantarolando assim como ela fazia quando assoviava, e claro com o riso absurdo que só ela possuía.
Mas por quê paraíso tem que ser tudo isso, por quê temos que imaginar flores, jardins e gramas? Talvez paraíso seja algo bem mais simples e até mais significativo. Um quarto vazio, apenas com uma cama no meio, pode até ser de solteiro e ela deitada ao meu lado, olhando para mim, os olhos bem pertinho dos meus, dando pra ver aquela cor de chocolate e o cílios enormes, mecher em seu cabelo, beijar a pontinha de seu nariz, brincar com a minha menina no meio de um quarto vazio, olha que paraíso mais lindo, sente só o sentimento que existe nisso, e me diz, qual dos paraísos é mais divino?
Sorri pela minha criatividade e pelo meu eterno sentimentalismo, respodi a minha pergunta e então me calei. Fiquei horas e horas observando as folhas caindo das árvores e deslizando sem destino pelo asfalto quente. Respirei fundo, e como de costume, desafiei Deus, "Se você realmente existe me deixa ver ela passar, não aguento mais esperar e sei que não vou desistir... se você realmente existe!" geralmente dava certo, mas dessa vez eu duvidei demais.
CONTINUA!
Thays Gomes

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

O que te fazia sorrir tão bonito?

Você não precisa saber a respeito de sua família, quem foi seu pai ou quem foi sua mãe, ou quando e onde ele nasceu, aonde viveu, os lugares onde esteve e os outros em que quis estar. Não precisa saber quantos anos ele tinha quando começou a escrever ou qual foi sua primeira palavra dita.
Você não precisa saber qual perfume ele usava, se usava, nem sua cor preferida. O que fez de sua vida, quem foi seus amores ou em que ele se formou. Não precisa saber quais sonhos ele realizou e os que deixou para traz, se é que ele deixou alguma coisa para traz. Quem ele amava, quem ele odiava...
Você não precisa saber nada sobre ele.
Você apenas precisa ler o que ele escreveu enquanto vivia, eu diria, enquanto ele vivia docemente. Você apenas precisa ler para se apaixonar.
Instântaneo.
Você lê e você ama.
Você começa amando o que lê e depois ama o que aquelas linhas e letras e palavras e contos e poesia te fazem sentir e daí você ama o homem, o homem com a sensibilidade capaz de passar para o papel os sentimentos mais lindos e humanos, então você já não consegue mais ler o nome Caio Fernando Abreu sem sentir amor.
Doce e intenso, ele era como o dia amanhecendo eternamente. Ele era da cor laranja e seu sabor, ahhh, todos nós sabemos, não era salgado, amargo ou azedo, Caio era doce, 7 vezes doce.
Você não precisa saber nada sobre ele porque ele era tudo.
Um sonho, uma poesia, uma palavra que conforta, encoraja e liberta, um abraço quente, um dia de domingo cheio de Sol, uma noite estrelada, um sorriso infatil, uma canção calma, uma brisa leve.
Ah Caio...
O que te fazia sorrir tão bonito?
Thays Gomes

Segundas impressões

Você tem todo o direito de julgar uma pessoa pela aparência num primeiro momento, mas é sempre bom dar uma segunda olhada, não é mesmo? Todos precisam de uma segunda chance para que você confirme suas conclusões precipitadas, ou as mude completamente.
Você a vê, mas o que você vê?
Um corpo coberto por panos, cores e trecos, que às vezes pode te agradar e às vezes não. O engraçado é que as conclusões mais "profundas" e "obscuras" que você pode tirar sobre ela é seu gosto para roupas ou como ela penteia seu cabelo, no máximo, dizer se gosta do seu sorriso ou não.
Qual sua banda favorita? Qual a cor que ela mais gosta? Como foi seu primeiro beijo? Quem é o amor de sua vida? Qual o som da sua risada?
Os olhos poderiam ir mais além, não é? Superar o superficial e nos mostrar aquilo que realmente deveria interessar.
Não haveria primeira impressão, pois a primeira seria a última e a eterna, e as segundas chances seriam desnecessárias, ou supernecessárias apenas para nos deixar apreciar aquilo que vimos e gostamos.
Thays Gomes

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

O horizonte em seu olhar

-Olhe bem no fundo dos meus olhos. Ele disse como se implorasse para que ela salvasse sua vida.
-Estou olhando.
-E o que você vê?
-Eu!
-Você!
Então houve um imenso silêncio e um vazio enorme e eles ficaram alí, parados, se olhando, cada um pelo reflexo que enxergava nos olhos do outro.
-Você está vendo a minha alma. Os olhos refletem a alma e a minha é você. Ele disse quase num susurro...
E então ela fechou os olhos.
-Não. Não é verdade. Se não fosse eu aqui? E se fosse outra, outro? Saturada das coisas que ele dizia ela continuou cheia de raiva:
-Você idealiza demais todas as coisas, você sonha, você pira, você envolve as pessoas na sua loucura, na sua doce ilusão romântica. Você se viu nos meus olhos, mas você não viu a minha alma, você não pode ver a alma de ninguém, alma não é coisa material que seus olhos doentes possam ver.
-Mas...
-Eu não te amo, você só é um reflexo nos meus olhos, eu vou me virar e o horizonte vai se refletir neles, mas nunca a minha alma.
Então ela deu as costas e saiu andando com aquele horizonte inteiro, colorido e quente refletindo em seus lindos olhos castanhos.
Thays Gomes

Você tem razão

Ela olhou bem no fundo dos olhos dele com um sorriso doce nos lábios e disse:
- Já acreditei no amor, em suas cores, seus cheiros, seus sabores...
- Mas e agora?
-Não sei.
Ele continuou olhando para ela como se esperasse a continuação.
-Sabe, quando você duvida de algo e depois, por algum motivo, passa a acreditar, então você vai acreditar naquilo para sempre, mas... quando você acredita em algo e passa a duvidar, não há o que fazer, ainda que a dúvida seja grande ou apenas um pequeno incomodo, você vai duvidar daquilo para sempre.
Ele abaixou a cabeça tentando entender, se perguntando se aquilo fazia sentido, se já havia acontecido com ele alguma vez, então voltou a olhar para ela, ainda com aquele sorriso doce e encontrou a resposta imediatamente.
-É, menina, você tem razão.
Thays Gomes

sábado, 1 de janeiro de 2011

Então, que seja doce 2011!

Finalmente, 2011!
Antes de dormir, 5:30 da manhã, sentei na cama e fiquei pensando...
Não sei o que realmente isso significa, essa coisa de "virada", cores com significados, pular ondas, comer lentilha... odeio lentilha e essas mil coisas, me lembram promessas de gordinhos, na segunda eu começo o regime, NA SEGUNDA!
No próximo ano vou fazer tudo diferente, vou estudar mais, vou me dedicar ao trabalho, blá, blá, blá, tudo mentira!
Mas uma coisa é fato, 2011 chegou, finalmente? já? pouco importa, mas chegou!
Não resisti, não fiz promessas para esse novo ano, mas fiz a minha oração, me joguei na cama, afundei a cabeça no travesseiro e pensei...
É um novo ano, não se repitirá jamais, claro. Então, que eu, que todos nós sejamos capazes de vive-lo com a nossa força mais radiante, nossa fé mais firme, com a coragem de faze-lo valer a pena e pular em todas as oportunidades de cabeça, sem medo, sem desistir de sonhos e projetos, nem desistir dos amores impossíveis, das pessoas que realmente amamos, das pessoas que queremos amar e dos abraços quentes.
Que o gosto doce permaneça em nossa boca durante todo ano, até o fim, até o próximo, que se renove sempre e que fique mais doce a cada dia amargo, a cada lágrima salgada, a cada gosto azedo de um não, quando esse não for a nossa maior vontade de um sim.
Pensei em tudo o que eu fui e em tudo aquilo que eu quero ser, não prometi nada, mas esse ano, logo nas primeiras horas começou tão lindo, que lembrei de também pedir esperança, muita esperança, esperanças novinhas em folha todos os dias...
Thays Gomes

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

O dever de evitar um beijo

Eu deveria ter evitado olhar tão de perto seus olhos. De certo, acho que deveria ter evitado você desde o começo, mas a minha curiosidade não me permitiu parar. Ter mergulhado no seu olhar talvez tenha sido um pequeno detalhe pronto para ser passado despercebido depois de tantos grandes detalhes que me levaram até aquele momento...

O beijo foi doce, tão doce, não tem como discrever se era gosto de chiclets ou qualquer outra coisa, não era, era uma mistura louca que se transformou naquele gosto bom, muito bom.
Aquele momento foi no minímo diferente, inexperado e o lugar, indiferente, o estranho foi que por um segundo me pareceu surreal, ou apenas um lugar que se tornaria especial.
Confesso, não deixei escapar nenhum detalhe...
Sua roupa, seus acessórios, e cada pequeno detalhe do seu rosto. Mas o seu cheiro... não era nenhum perfume que eu pudesse adivinhar o nome, era cheiro de pele, era o cheiro dele que me fez tremer por dentro. Deu uma vontade forte de abraçá-lo, de explodir meus pulmões com aquele ar, mas eu me contive. Sorri, olhei em seus olhos, seus olhos... eu deveria ter evitado olhar tão de perto seus olhos, mas eu precisava absorver o máximo daquele momento, o máximo de você, porque eu sabia, não iria acontecer de novo...
Então comecei a sugar cada minuto alí, e quanto mais eu me enchia daquele momento, mais transbordava de mim perguntas e sensações, e mais perguntas e uma vontade louca me correr e me esconder...
Meu Deus, Como Eu Fui Parar Alí? Assim mesmo, com letras maiúsculas. Como?
Estar lá era como ter 12 anos denovo. Eu desaprendi como é recomeçar, mesmo sabendo que aquilo não era um recomeço, não haveria mãos dadas, nem coisas fofas para dizer... Tchau. Até mais!
Eu tinha me desacostumado ao vazio desses momentos.
Resolvi que não me importaria mais. Me esvaziei. Até deixei a chuva me molhar sem pragueja-lá, despenteou meu cabelo, estragou a minha franja, mas quem se importa? Não precisaria estar bonita para ninguém, oras...
E então...
Lá estava eu com 12 anos de novo...

[CONTINUA...] ou não!
Thays Gomes

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

O que você não sabe e nunca vai saber...

Eu sou forte, sim, não por uma simples escolha, aceitaria de bom grado qualquer tipo de fraqueza, mas sim; porque a vida jamais me deu esse luxo, o luxo de poder ser fraca, desde sempre ela me encheu de murros no estômago.
Sempre penso, e se fosse você?
Eu vi meu pai ir pra longe logo cedo, a pessoa que eu mais idolatrava, indo embora sem eu nem saber porque... você não sabe o que é uma criança ter pesadelos toda noite e acordar gritando e chorando de saudade, você não sabe o que é ter que escolher entre a sua mãe e a casa em que você cresceu, você não sabe a dor que a morte causa quando rouba de você o homem que cumpria o papel de pai, quando este não estava lá!
Você não sabe nada disso, e nunca vai saber, porque a sua família é quase baseada em uma da novela de Manoel Carlos, você nunca passou por 1/3 das coisas que eu passei desde sempre, desde pequena. Você simplesmente não sabe os lugares horríveis aonde eu estive por um erro que não cometi...
Você queria que eu fosse fraca? Eu apanhei tanto da vida desde sempre, e você quer que eu me dê ao luxo de ser fraca, de chorar? Eu que não chorei nem quando meu avô partiu, quando metade do meu coração partiu!
São traumas, feridas, cicatrizes que você jamais vai entender ou saber, porque eu nunca te contei, nunca iriei contar a mim mesma.
Mas eu só digo...
Há motivos muito maiores para sofrer, eu sofreria por isso, mas eu passei grande parte da minha vida sofrendo, machucada, por favor, não deseje que eu sofra mais...
Thays Gomes

sábado, 6 de novembro de 2010

Assim ela vai...

Assim ela vai...
Cheia de si, segura e inquebrável, por qualquer rua deserta, escura e interminável, buscando por aí um amor de verdade, que a abrace forte, tão forte que quase tire dela seu antigo amor.
O antigo e eterno amor.
Assim ela vai...
Tem dançado com o demônio por muito tempo, e isto a tem feito amadurecer, substituindo lágrimas por sorrisos, carência por tesão, tristeza por bebidas... mas ela não consegue ser assim o tempo todo, todo dia, toda vida e por isso logo irá sentir falta de lembrar e chorar pelo seu verdadeiro amor...
Ele se tornou um desenho borrado em sua mente, não reconhece mais o seu rosto, mas pode vê-lo nitidamente em seus sonhos.
Ela ama.
Ela o ama.
Ama todas as cores que consegue enxergar nele, todas as cores que seu corpo possui. A cor de seus cabelos e de seus olhos, e também a de sua pele.
Ama também os traços de sua boca e de seu nariz. Seus ombros largos e o calor de seus braços que mesmo sem poder sentir ela consegue imaginar.
Ela ama tanto ele, tanto, tanto que já não é mais um sentimento, é quase uma fé, uma religião.
Ele é...
Quase um Deus. Não. Ele é o seu Deus.
É nele que ela pensa quando algo dá certo, é ele quem ela quer quando algo dá errado. É para ele que ela reza todas as noites. É ele quem ela pede todas as noites. Religiosamente todas as noites, durante anos, sem perder um dia sequer.
E ela sabe que quase venderia sua alma ao diabo, quase, pois nem isso faria ela pertencer a ele.
E assim ela vai...
Não importa o caminho ou o rumo que irá tomar. "Não importa", ela repete o tempo todo. Não importa porque ela não o tem, mas um dia irá importar. Um dia ela o terá. Pode escrever em qualquer pedaço de papel que você tem em mãos agora.
Um dia ela será dele e ele dela.
E assim ela vai...
Enchê-lo de sonhos, entupi-lo de amor, rabisca-lo de carinho.
Vai fazer ele sentir todas as sensações que ainda não conhecia. Com certeza, ela irá fazê-lo transbordar de alegria e vontade de viver.
O homem mais feliz de todo o Universo, é o que ela quer fazer dele. O mais feliz e mais completo.
Quando ele estiver dormindo ao seu lado ela vai passar de leve seu dedo pelo seu rosto, pelo seus traços e brincar com os seus cabelos, vai sorrir e quase chorar, mas de alegria, de felicidade e ficará olhando pra ele por horas e horas, durante vidas e vidas, sem deixar os pesadelos invadi-lo, velará seu sono agradecendo por ter ele em seus braços.
Assim ela vai...
Por ai, por qualquer canto, em qualquer encanto. Tropeçando em sonhos de te-lo a qualquer preço. Sonhos estes que insistem em se colocar em seu caminho, mas não se sabe se é para que ela insista em realiza-los ou apenas derruba-la...
Thays Gomes

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

My sunshine

É algo físico, quase que matemático, totalmente racional.

Antes que você me dê as costas, deixe-me te dizer que o amanhã nunca me pareceu tão incerto.
Antes eu acordava com a sensação de que eu saberia o que ia acontecer durante todo o dia. Era como se eu tivesse em mãos um cronograma, uma tabela de horários que eu apenas precisava seguir para atravessar o dia e chegar ao fim dele bem, inteira e viva. Vez ou outra algo mudava.
Mas hoje, eu não sei o que pensar sobre o dia de amanhã. Eu odeio isso. Colocar minha cabeça no travesseiro e criar hipóteses, pensar sobre coisas que não são concretas e estão longe de ser. Se estou certa, nunca serão.
Sinceramente, não sei nem se devo pensar em algo. Esperar que você venha até mim, ou que troquemos algumas palavras. Esperar te ver ou te encontrar. Não sei nem se amanhã vou acordar querendo ser sua ou querendo não te ver nunca mais.
Confesso que isso encomoda um pouco, encomodava, hoje em dia entristece, quase dói, quase machuca... e quase passa, mas nunca passa.
Deito e penso: "Será que ele ainda vai me querer amanhã?", e logo retruco comigo mesma tentando explicar que não é bem assim, que você não tem a obrigação de gostar de mim ou me querer, nem hoje, nem amanhã, nem quando a gente se beija ou quando a gente transa.
O negócio é físico, quase que matemático, totalmente racional.
Por mim, tudo ótimo, tudo lindo... aparentemente! Mas logo, quase que em todos os momentos venho querendo falar sobre sentimentos.
Sentimentos? Sentimentos? Sentimentos? Que porra é essa?
O negócio fluí, é bom, é gostoso, a gente se diverte, quem precisa de sentimentos?
Eu preciso deles!
Você não vê? O quê aqui você não quer ver?
Eu tenho estado a mil últimamente, tudo isso tá me dando um puta medo, me deixando assustada e eu sei, alguma coisa aqui te assusta também.
A verdade é que, não consigo ser assim, tão equilibrada, relaxada, como você fingi ser, eu até era, mas você forçou a barra, insistiu demais, eu entrei na dança achando que seria um passa tempo divertido, diferente, pensando que iria brincar, jogar qualquer joguinho idiota, mas ir embora a hora que bem entendesse sem sentir nada, nem pena, dó ou qualquer sentimento, bom ou ruim, por você.
Eu errei feio!
Eu fico com você, e parto a hora que eu entendo que já deu, mas sempre com a vontade de ficar mais um pouquinho, ou mais um mundo de tempo.
Vou embora sem querer ir, e isso vem me deixando triste, cada dia mais pra baixo.
Eu não pertenço a você, eu não pertenço a ninguém, eu sou tão minha, eu estou sempre tão dentro de mim que a única coisa que eu queria agora é me doar à você. Me esvaziar de "eus" e me encher de "você", sim!
Mas você nunca me tira de mim. Você só deixa eu me afogar mais e mais. Nunca é suficiente.
Eu odeio isso. Eu odeio você. Eu odeio a maneira como você age.
Você é injusto, egoísta e egocêntrico. Feri por prazer, por pura vaidade, pra poder se vangloriar e dizer que você pode e consegue a qualquer hora, com qualquer uma. Mas eu não sou qualquer uma, tudo o que você faz sou eu quem dita o tempo e eu entro no seu jogo porque eu sou quase masoquista, auto-distruidora. Você não é bom o bastante a ponto de me levar...
Existe algumas coisas que eu gosto em você. O jeito como você se movimenta e sorri. Seu olhar, os seus olhos verdes, o seu perfume que empregna no meu corpo e espalha no ambiente e o seu cabelo que parece um milhão de raios de Sol.
Há mil coisas sobre você que me fariam desistir dessa estupidez e ir embora de vez.
Mas sinceramente fico buscando pequenos detalhes pra ficar...

Eu tive tanto medo disso acontecer, de algum dia sentir vontade de escrever sobre você. Tive medo de gostar. No começo era indiferente. Você podia ir e vir, sorrir, cantarolar... agora eu ando tão abalada por você. Você perto, você longe, tudo me deixa triste, tudo me faz querer você.
Querer você... que engraçado, eu que nunca quis ninguém...

Thays Gomes